EnglishPortugueseSpanish

Como o estágio em farmácia contribui com a formação do acadêmico

No dia 20 de janeiro, comemora-se o Dia Nacional do Farmacêutico. Anualmente, chegam ao mercado de trabalho mais de 14 mil novos profissionais. Como então se destacar?

No dia 20 de janeiro, comemora-se o Dia Nacional do Farmacêutico. Anualmente, chegam ao mercado de trabalho mais de 14 mil novos profissionais – de acordo com o Censo de Educação Superior –, que vão disputar as melhores vagas. O varejo farmacêutico é o segmento que mais emprega. De acordo com dados do Conselho Federal de Farmácia, cerca de 75% dos 218.157 farmacêuticos registrados atuam em farmácias de qualquer natureza.

Como então se destacar e conseguir emprego nas melhores empresas desse segmento? Investindo na formação profissional. Em geral, os estágios contribuem positivamente para isso. “A trajetória das mudanças no ensino farmacêutico, no País, evidencia a preocupação com a formação de um profissional cada vez mais alinhado às demandas do mercado de trabalho”, comenta a coordenadora do curso de Farmácia da Universidade Castelo Branco, Luciane Barreiro.

Até 2002, a formação do profissional farmacêutico era muito tecnicista, aprofundava conteúdos que, muitas vezes, pouco contribuíam para o exercício profissional e acabavam afastando estudantes do curso de Farmácia, fato constatado pelos elevados índices de evasão. 

A publicação da Resolução CNE/CES nº 02/2002, que instituiu a obrigatoriedade da formação do farmacêutico generalista, gerou uma inquietude na comunidade acadêmica diante de um modelo outrora consolidado. “Quinze anos se passaram e a publicação da Resolução CNE/CES nº 06/2017 novamente impõe desafios à formação profissional, mas reitera a importância de se formar um profissional com competências, habilidades e atitudes que atendam às expectativas do mercado profissional”, observa Luciane.

Os estágios curriculares são regulados de forma ampla, no Brasil, pela Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e pela Lei 11.788, de 25 de setembro de 2008, que dispõe sobre o estágio de estudantes no País. No que tange especificamente à formação do profissional farmacêutico, o estágio deve ser estruturado seguindo o que está preconizado na Resolução CNE/CES nº 06/2017, que estabelece as novas diretrizes curriculares do curso de Farmácia.

De acordo com a norma atual, a carga horária mínima do curso de Farmácia é de 4 mil horas, e o estágio deve corresponder a, no mínimo, 20% da carga horária total, ou seja, 800 horas. Dessas, 60% (480 horas) serão cumpridas em cenários relacionados aos fármacos, cosméticos, medicamentos e assistência farmacêutica – onde se encaixa a farmácia comunitária; 30% (240 horas) em cenários com análises clínicas, genéticas e toxicológicas e alimentares; e 10% (80 horas) de acordo com especificidades regionais. Exemplo: em uma região que careça de atendimento primário no setor de saúde, justifica-se a formação voltada para a Atenção Básica e, portanto, o cumprimento de 10% da carga horária em Unidades Básicas de Saúde.

Mercado de estágio em farmácia

De acordo com a plataforma de empregos Love Mondays, o salário médio para estagiário de farmácia, no Brasil, é de R$ 987 por mês, podendo variar de R$ 412 a R$ 2.735. No portal Vagas.com, o salário médio cai para R$ 886; e, na Catho, essa média mensal desce um pouco mais: R$ 868,07. A área de formação das pessoas que fazem estágio em farmácia costuma ser Farmácia e Bioquímica.

Ranking das redes que pagam os melhores salários para estagiários, segundo a plataforma Love Mondays:

1º RD Raia Drogasil – R$ 1.600

2º Drogaria São Paulo – R$ 1.271

3º Drogaria Pacheco – R$ 1.046

4º Drogaria Venancio – R$ 1.000

5º Droga Fuji – R$ 900

6º Pague Menos – R$ 800

Por definição, estagiário é um termo genérico utilizado para descrever alguém – geralmente um estudante – que trabalha, sem pagamento ou com salário reduzido, com o objetivo de ganhar experiência. Um estagiário trabalha, em média, seis horas por dia, cinco dias por semana.

O campo de atuação farmacêutica é vasto e amplia-se a cada dia graças ao empenho do CFF e dos Conselhos Regionais, que não têm medido esforços para a valorização e o reconhecimento da profissão junto à população, segundo Luciane, UCB.

Para ela, a Lei 13.021/2014, que traz a definição de farmácia como estabelecimento de saúde, e as resoluções do CFF, que reconhecem as habilidades clínicas do farmacêutico, incentivam a procura por serviços farmacêuticos nas farmácias comunitárias, resultando, consequentemente, na ampliação das oportunidades de estágio, que vêm ocorrendo em proporção adequada à demanda.

“O estágio é fundamental na formação do conhecimento farmacêutico, pois traz a possibilidade de entender amplamente os fatores que interferem na adesão e no sucesso da farmacoterapia a partir do entendimento da realidade social, cultural e econômica da população”, defende Luciane.

Benefícios para as farmácias que contratam

De acordo com o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), de janeiro a novembro de 2018, foram somados 3.378 estagiários de farmácia contratados por intermédio da instituição, 58 contratações a mais que em 2017.

Contar com um agente de integração na hora de contratar um estagiário para a farmácia pode ser uma boa opção. O CIEE, por exemplo, a partir de uma taxa mensal, oferece suporte com processo seletivo, seguro contra acidentes, documentação, relatórios e outros tipos de assessoria.

Segundo Fabio Gaeta, consultor de Atendimento às Empresas e Instituições de Ensino do CIEE, há muitas vantagens em contratar um estagiário, entre elas, custo mais baixo e pouca burocracia. “A empresa tem a oportunidade de moldar o futuro funcionário de acordo com as diretrizes dela”, diz.

A farmacêutica e empresária Dayse Luiz, proprietária da Elemento Base Farmácia com Manipulação e Homeopatia, já treinou mais 25 estagiários ao longo dos 25 anos de empresa. Em 2018, foram quatro. Durante quase todo esse tempo, os estágios foram remunerados com horários fixos. Atualmente, Dayse oferece estágio aos sábados, sem função específica e sem remuneração. O objetivo é fazer com que o acadêmico conheça todas as etapas. Ele fica na farmácia sempre aos sábados, de 3 a 4 horas e sob supervisão do farmacêutico, acompanhando o trabalho e absorvendo novos conhecimentos.

“Essa foi a forma que encontramos de colaborar com a formação do profissional. Para o estagiário, contar com uma empresa para praticar o que não se vê na faculdade é uma oportunidade incrível. O estágio é importante porque dá ao aluno muito mais segurança para o mercado de trabalho”, comenta Dayse.

Benefícios que o estágio traz para o acadêmico

Heloá Torres, formada em 2017, trabalha atualmente em farmácia hospitalar. Em 2016, passou pelo estágio em uma rede de pequeno porte. Segundo ela, a experiência do contato com pacientes no balcão foi muito importante, pois a ajudou a entender a necessidade de se estar próximo à população, sanando dúvidas e orientando quanto ao uso racional de medicamentos.

Na farmácia, Heloá participou de atividades como atendimento, verificação de temperaturas, acompanhamento de compras e lançamento de receitas no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC).

De negativo, Heloá destaca a falta de orientação. “Na maioria das vezes, recebia suporte dos balconistas. Algumas pessoas não gostam de ensinar. Os locais que recebem estagiários devem estar preparados, pois participam diretamente da formação de novos profissionais”, pontua.

A acadêmica Mayara Gonçalves Gulpilhares está fazendo estágio em uma sala de atenção farmacêutica na instituição de ensino onde estuda. Lá, já teve a oportunidade de atualizar POPs (Procedimentos Operacionais Padrão) e prontuários; acompanhar pacientes e prestar orientação farmacêutica; aferir a pressão arterial; entre outras atividades. Mayara também já participou de ações sociais sob a supervisão de farmacêuticas, em que aferiu a pressão arterial dos pacientes.

“Foi uma experiência incrível. Aprendi muito mesmo. Enfrentei algumas dificuldades, pois sou muito tímida, e tive que lidar com o público e com as minhas inseguranças, mas contei com o apoio de todos, principalmente das profissionais. Eu não consigo destacar pontos negativos, pois eu cresci, mesmo com as adversidades. Parece-me injusto reclamar de algo. Eu sou muito grata até pelos momentos difíceis, pois me fizeram crescer não só como futura profissional, mas como pessoa também”, compartilha Mayara.

A experiência de Aline Barreto foi em uma grande rede de drogarias, onde conheceu a variedade de produtos e medicamentos existentes no mercado farmacêutico e com que frequência eram prescritos, permitindo maior familiarização com as classes farmacoterapêuticas, com as formas de administração, com os termos técnicos e com as bulas dos medicamentos.

Segundo Aline, houve ainda a oportunidade de conhecer a fundo as legislações pertinentes às farmácias comunitárias e à profissão farmacêutica. “Além disso, foi possível treinar a execução dos serviços farmacêuticos e adquirir conhecimentos sobre administração de farmácia, gestão de pessoal, liderança de equipe e postura profissional”, completa. Atualmente, Aline exerce função na área estética.

Direitos e deveres do estagiário

Os direitos e deveres do estagiário constam no regulamento de estágio de cada instituição elaborado em consonância com a legislação vigente.

Entre os direitos estão:

– Receber orientação necessária para a realização das atividades previstas para o estágio;

– Ser esclarecido sobre os convênios firmados para a realização de seu estágio;

– Apresentar propostas ou sugestões que possam contribuir para o aprimoramento das atividades do estágio.

Entre os deveres estão:

– Cumprir as normas e rotinas de cada local de estágio com responsabilidade e ética, prezando por um elevado padrão de comportamento e de relações humanas;

– Zelar pela manutenção das instalações e dos equipamentos por ele utilizados durante as atividades do estágio;

–  Respeitar a hierarquia funcional da unidade concedente do estágio, obedecendo às ordens de serviço e às exigências do local de atuação;

– Comunicar e justificar ao supervisor local da unidade concedente, com a possível antecedência, sua ausência às atividades do estágio;

– Utilizar vocabulário técnico apropriado e manter a postura condizente com a futura profissão;

– Comparecer aos encontros com o professor supervisor de estágio, apresentar relatórios e/ou outros documentos solicitados pela instituição de ensino de acordo com o regulamento interno de estágio.

Direitos e deveres da farmácia

– Celebrar termo de compromisso com o estagiário e a instituição de ensino;

– Designar um farmacêutico de seu quadro de pessoal para orientação e acompanhamento do desenvolvimento das atividades previstas no plano básico de estágio;

– Proporcionar ao estagiário condições adequadas para o cumprimento das atividades;

– Interagir com o supervisor acadêmico da instituição de ensino;

– Preencher e assinar os documentos comprobatórios de realização do estágio, contendo descrição resumida das atividades, período, carga horária e avaliação de desempenho;

– Informar prontamente à instituição de ensino qualquer irregularidade por parte do estagiário ou da empresa que comprometa a execução do estágio e implique em rescisão antecipada do termo de compromisso.

Drogarias Max - seja um franqueado

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba as principais notícias no seu Whatsapp

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Smart Consulta Consultório Farmacêutico Inteligente - Seja um franqueado
Fechar Menu