EnglishPortugueseSpanish

Liderança no varejo: o que precisa ser diferente?

Ainda que cada segmento de varejo possua suas peculiaridades, é certo que todas as áreas precisam estar preparadas para enfrentar as constantes mudanças, sejam elas criadas a partir das necessidades do consumidor, sejam elas do próprio mercado.
Liderança no varejo
Liderança no varejo: o que mudar? | Crédito: Shutterstock

Estar à frente de um negócio exige – além de planos estratégicos, investimentos e boas decisões – uma gestão profissionalizada, com conhecimento de mercado e voltada ao engajamento dos colaboradores. Neste artigo, você vai entender por que a liderança no varejo demanda habilidades específicas.

Ainda que cada segmento de varejo possua suas peculiaridades, é certo que todas as áreas precisam estar preparadas para enfrentar as constantes mudanças, sejam elas criadas a partir das necessidades do consumidor, sejam elas do próprio mercado. E, para isso, é preciso que os líderes estejam atentos e abertos às transformações, ao entendimento de cenários complexos, e em busca de capacitação sobre gestão empresarial e comportamento humano.

Foi pensando nessas particularidades que o consultor de empresas Pedro Dias começou a refletir sobre como poderia contribuir para o crescimento das pessoas que estão à frente de um negócio. “No meu ponto de vista, a primeira coisa é querer ser um líder. A partir do momento que se tem esse objetivo profissional, deve-se criar uma estratégia para que isso ocorra”, explica ele.

Autor do livro Pílulas de Gestão e presidente do instituto que leva seu nome, Dias revela que para ser um líder é preciso, antes de tudo, organizar as atividades diárias. “Deve-se ter tempo suficiente para se dedicar aos estudos, bem como participar de treinamentos e eventos do mercado. Caso não tenha tempo e recursos financeiros, é possível buscar cursos gratuitos ou com custos acessíveis na internet”.

Veja também: 7 dicas para se recolocar no mercado de trabalho

Desafios para a liderança no varejo

Toda essa organização tem como objetivo principal encarar os desafios que a liderança no varejo pode trazer. O diretor executivo da Maxta, Robson Vitorino, cita os cinco principais:

  • Agregar: Identificar, com detalhes, o perfil desejado de cada membro da equipe. É preciso ser muito mais exigente no processo de recrutamento. A ausência de um perfil bem definido e critérios objetivos vem consumindo tempo e recursos financeiros. “Conforme venho identificando há 12 anos, a negligência no recrutamento e na seleção acontece pelo desconhecimento de como fazer e a intenção de economizar, mas a realidade vem mostrando que essa economia é utópica”, explica Vitorino.
  • Treinar: Mesmo que um colaborador tenha experiência, é fundamental que seja constantemente treinado, a fim de desenvolver novas competências e melhorar os processos.
  • Desafiar: O líder que treina constantemente a sua equipe tem mais legitimidade para cobrar. A dualidade “treinar e desafiar” vem contribuindo intensamente para criar equipes de alto desempenho.
  • Monitorar: É preciso saber monitorar o desempenho de cada colaborador. E isso deve acontecer sempre em duas vertentes: competências e comportamentos. A avaliação de desempenho deve ser criteriosa e impessoal. “A ausência de critérios objetivos de avaliação geralmente acarreta problemas relacionais entre líderes e liderados, sendo confundido com perseguição e até, em alguns casos, com assédio moral. A avaliação formal e estruturada agrega profissionalismo à relação entre líder e liderado, diminuindo a pessoalidade”, avalia Vitorino.
  • Manter: Ao conhecer quem são os profissionais mais alinhados à cultura da empresa, pode-se ter uma estratégia de retenção de talentos. Não é razoável querer manter as pessoas apenas pela afetividade, é preciso ter critérios claros para não desligar o colaborador produtivo em detrimento do improdutivo.

Liderança no varejo: gostar de pessoas

Pedro Dias relembra uma característica importante de uma liderança no varejo: ter um perfil que seja movido a desafios. “É preciso saber trabalhar com poucos recursos e gostar verdadeiramente de pessoas. A partir do momento em que se desenvolvem as soft skills (competências comportamentais) e hard skills (competências técnicas), as chances de ser um gestor que consegue bater todas as metas são maiores”, afirma.

Um ponto crucial para que a liderança no varejo dê certo é manter uma equipe focada e que atue de forma engajada com o público, como explica Vitorino. “O varejo possui uma forte orientação para o cliente. Uma equipe competente, mas com comportamento desalinhado pode comprometer completamente o negócio”, explica o diretor da Maxta. Ele explica que saber lidar com os funcionários, seja na hora de elogiar, seja de corrigir, sempre por meio de feedbacks éticos, é parte importante do papel de líder. “Deve-se saber delegar tarefas, comunicando com clareza o que deve ser feito, negociando prazos com a equipe e cobrando de acordo com o perfil de cada colaborador”. É preciso que o líder de varejo faça uma liderança personalizada.

Assista no É de Farmácia: Conflitos na farmácia ameaçam os resultados. Previna-se!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Anuncie na Revista da Farmácia

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias no seu Whatsapp

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Smart Consulta Consultório Farmacêutico Inteligente - Seja um franqueado
Fechar Menu