EnglishPortugueseSpanish

Butatan assina contrato de fornecimento de doses da CoronaVac para Ministério da Saúde

Acordo entre Instituto e a pasta foi firmado em reunião realizada nesta quinta-feira (7).
Butantan fecha acordo com Ministério da Saúde
Foto: Divulgação

Na noite de quinta-feira (7), o Instituto Butatan confirmou a assinatura de contrato com o Ministério da Saúde para aquisição de doses da CoronaVac, vacina desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Termos do contrato

A princípio, serão fornecidas 46 milhões de doses, em quatro entregas, até o dia 30 de abril, mas há possibilidade de outras 54 milhões de doses serem adquiridas, chegando a 100 milhões.

De acordo com o contrato, disponibilizado no site oficial da pasta, o valor total da compra é de R$ 2,6 bilhões e inclui todas as despesas diretas e indiretas da ação. Contudo, o pagamento será realizado apenas após a obtenção do registro ou autorização para uso emergencial junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Medida Provisória

Em coletiva de imprensa, o ministro da Saúde Eduardo Pazuello revelou que o contrato foi assinado menos de 24 horas após a publicação da Medida Provisória (MP) 1026/21, que flexibiliza a compra de vacinas, insumos e outros artigos necessários para a vacinação contra a Covid-19.

A MP autoriza a compra dos produtos sem licitação e antes do registro oficial da Anvisa, numa tentativa de agilizar os processos quando a autorização acontecer. “Hoje assinamos com o Butantan. Assinado. Menos de 24 horas depois da Medida Provisória, nós assinamos um contrato para entrega das primeiras 46 milhões de doses até abril e de mais 54 milhões no decorrer do ano, indo a 100 milhões de doses”, disse o ministro.

O texto informa ainda que a vacinação do povo brasileiro deverá seguir as diretrizes do Plano Nacional de Imunização (PNI).

Pedido de uso emergencial

A Anvisa informou que o Instituto Butantan decidiu, por estratégia própria, não oficializar a submissão de uso emergencial da vacina nas duas reuniões realizadas ontem. Em comunicado oficial, a Agência informou que “a reunião de pré-submissão é feita a critério da empresa/instituição antes do envio de pedido formal de registro ou de autorização para uso emergencial”.

Após a entrega dos documentos, a Anvisa estipula prazo de até dez dias para análise do pedido.

Veja também: Coronavac tem eficácia de 78% contra Covid-19 em estudo no Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Notícias Canal Farma

Receba notícias, conteúdos e vídeos do YouTube sobre o setor farmacêutico com nosso canal no Telegram.

Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu