EnglishPortugueseSpanish

Ensaio clínico da vacina de Oxford é suspenso após reação adversa em participante

Decisão foi tomada após um participante no Reino Unido apresentar um quadro de mielite transversa.
Ensaio clínico de vacina de Oxford é suspenso
Foto: freepik

O portal de notícias G1 noticiou, nesta terça-feira (8/9), que os testes clínicos de fase 3 da vacina contra Covid-19 desenvolvidos pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca foram interrompidos após um dos voluntários no Reino Unido apresentar reação adversa que pode estar vinculada à vacina. O paciente teve mielite transversa, uma síndrome inflamatória que afeta a medula espinhal, de acordo com o jornal “The New York Times”.

Contudo, nesta quarta-feira (9), o secretário de saúde do país, Matt Hacock, informou que esta não é a primeira vez que os testes da vacina foram suspensos: “É obviamente um desafio para esse ensaio clínico específico. Não é, na verdade, a primeira vez que isso aconteceu com a vacina de Oxford”.

Ao ser perguntado se a suspensão implicaria em um atraso no processo, ele explica que não necessariamente, pois tudo dependerá da investigação. A MHRA, agência que regulamenta medicamentos no Reino Unido, já está revisando os testes com urgência em parceria com o Centro de Vacinas de Oxford para definir se a farmacêutica pode retomá-los.

Doença inesperada

Em nota, a universidade e a AstraZeneca informaram que suspensão dos ensaios clínicos é um procedimento padrão que acontece sempre que uma doença inexplicável surge em um dos participantes. Além disso, a doença pode acontecer por acaso, sem que haja relação com a vacina, mas que é fundamental realizar uma análise para checar.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), responsável pela autorização dos testes no Brasil, informou ter sido avisada sobre a suspensão: “A agência aguarda o envio de mais informações sobre os motivos da suspensão para analisar os dados e se pronunciar oficialmente”. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) também foi avisada pelo laboratório britânico e vai acompanhar os resultados das investigações para se manifestar oficialmente.

Reação adversa

O jornal “The New York Times” informou que a mielite transversa é uma síndrome inflamatória que afeta a medula espinhal e pode ser desencadeada por diversos motivos. O veículo atribuiu o dado a uma pessoa próxima do caso, que falou sob condição de anonimato.

A informação foi a mesma obtida pela pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo: “Eu consegui falar com a Inglaterra assim que a informação saiu, mas nós sabemos que houve um caso de uma manifestação chamada mielite transversa, que é uma manifestação clínica – muitas vezes autoimune – atribuível a várias doenças. É uma manifestação neurológica que pode evoluir com perda temporária, parcial ou grande, afetando a medula humana, e isso pode estar ou não relacionado à vacina”.

Informações da Clínica Mayo, uma das maiores dos Estados Unidos, revelam que a doença interrompe as mensagens que os nervos da medula espinhal enviam por todo o corpo. Isso pode causar dor, fraqueza muscular, paralisia, problemas sensoriais ou disfunção da bexiga e intestino. O problema pode ser causado por infecções e distúrbios do sistema imunológico que afetam os tecidos do corpo e também por problemas da mielina, como a esclerose múltipla.

Veja também: Estudo preliminar indica que vacina russa para Covid-19 induziu resposta imune e não teve efeitos adversos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu