Logística reversa de medicamentos: participação da indústria

A menos de uma semana do início da logística reversa, o advogado especialista e mestre em Direito Ambiental, Fabrício Soler, dá detalhes sobre a participação dos fabricantes.

A menos de uma semana do início da Fase 2 do Decreto Federal 10.388, marcado para o dia 28 de setembro de 2021, ainda são muitas as dúvidas acerca da implementação do sistema de logística reversa de medicamentos domiciliares vencidos ou em desuso.

Leia também:

Logística reversa de medicamentos: tudo sobre a participação da farmácia

Participação da distribuição na logística reversa de medicamentos domiciliares

Corresponsabilidade na logística reversa

De acordo com Fabrício Soler, advogado especialista e mestre em Direito Ambiental e consultor jurídico da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Confederação Nacional da Indústria (CNI), um dos pontos mais significativos do Decreto é o conceito de responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto: “É importante entender que todos, desde os consumidores até os fabricantes e importadores de medicamentos, têm atribuições para mitigar o impacto do descarte incorreto de medicamentos e embalagens no meio ambiente”.

O especialista lembra que o conceito de logística reversa já é conhecido no Brasil desde a década de 1990: “Já é algo sobre o que temos conhecimento com óleo lubrificante, pneu, pilhas e baterias. O que faremos agora é aplicar o conceito nos medicamentos de uso humano. Assim como acontece nos outros setores, o custo dessa mudança fará parte do preço do produto, o que contribuirá para um aumento nos preços dos medicamentos”, observa Fabrício.

Participação da indústria

Após as etapas de recolhimento dos resíduos nas farmácias e armazenamento temporário pelos distribuidores, é papel dos fabricantes e importadores de medicamentos arcarem com os custos da destinação final ambientalmente adequada. Haverá uma empresa terceirizada responsável por coletar o material com os distribuidores e finalizar o ciclo de ações.

“Existe um sistema online que conecta as farmácias, as distribuidoras, a indústria e a empresa terceirizada. Assim que um dado volume de medicamentos armazenados for atingido, o prestador de serviço será informado por meio desse sistema, e nesse momento fará a coleta e a destinação correta”, explica Fabrício.

São três formas de destinação final: a incineração, ou seja, a destruição térmica do material; o coprocessamento, quando o medicamento substitui o combustível em cimenteiras; e o aterro sanitário especial. A utilização de cada um desses métodos se dará de acordo com a disponibilidade em cada localidade. As três possibilidades foram fundamentadas por uma visão sistêmica das inúmeras variáveis sociais, ambientais, culturais, tecnológicas, econômicas e de saúde pública que o Brasil possui. Por isso, ainda é difícil precisar o custo desse serviço às indústrias.

Fases de implementação

A primeira parte da Fase 2 do Decreto 10.388 durará dois anos – de 28 de setembro de 2021 a 28 de setembro de 2023 – e contemplará todas as capitais dos estados e municípios a partir de 500 mil habitantes.

O Grupo de Acompanhamento de Performance (GAP) é formado por 17 entidades empresariais que vêm trabalhando para conscientizar a cadeia farmacêutica da relevância da participação de todos: varejo, distribuição e indústria. Até o momento, não há obrigatoriedade, mas, se o número de participantes estabelecido no Decreto não for atingido, será necessário escolher quais estabelecimentos receberão os pontos de coleta.

Além disso, a partir da próxima semana, haverá um trabalho de divulgação também para a população brasileira. “As farmácias poderão até ter pontos de coleta, mas se o consumidor não aderir, não haverá a logística reversa. É fundamental que haja esse entendimento por parte dos brasileiros”, reforça Fabrício.

A previsão é de que nos primeiros dois anos aproximadamente 1/3 da população seja beneficiada com a logística reversa, o equivalente a cerca de 70 milhões de brasileiros. Depois, entre 2023 e 2026, os municípios a partir de 100 mil habitantes passam a fazer parte, atingindo cerca de 120 milhões de pessoas.

No site oficial do sistema de logística reversa de medicamentos, é possível obter o endereço das farmácias que possuem coletores. Até o momento, estão contemplados no Decreto Federal 10.388 os medicamentos de uso humano, incluindo os manipulados, e as embalagens dos produtos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Notícias Canal Farma

Receba notícias, conteúdos e vídeos do YouTube sobre o setor farmacêutico com nosso canal no Telegram.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.