EnglishPortugueseSpanish

Como vai funcionar a logística reversa de medicamentos na prática

Nos dois primeiros anos a partir da publicação do decreto, apenas municípios com população superior a 500 mil habitantes terão farmácias e drogarias com pontos de coleta.

O Governo Federal assinou o decreto que institui a logística reversa de medicamentos domiciliares vencidos ou em desuso no País: Decreto Federal nº 10.388/2020.  Isso já não é novidade. Os consumidores poderão retornar os produtos às farmácias e drogarias para, em seguida, serem descartados de forma segura pela cadeia farmacêutica. Mas como o sistema vai funcionar na prática? Sobre isso, a maioria dos varejistas ainda tem dúvidas.

Nos dois primeiros anos a partir da publicação do decreto, apenas municípios com população superior a 500 mil habitantes terão farmácias e drogarias com pontos de coleta. Do terceiro ao quinto ano de implantação, serão contempladas as cidades com mais de 100 mil habitantes, o que vai ampliar o sistema de logística reversa para um número maior de pessoas. Vale destacar que todas as capitais participam desde o início, independentemente do número de habitantes. E em cada cidade participante haverá uma farmácia para cada dez mil habitantes.

Nas farmácias, o consumidor vai deixar o medicamento em um coletor próprio, que será igual para todos os estabelecimentos. Uma vez cheio, o varejista lacra essa embalagem e comunica ao distribuidor. Este, por sua vez, fará a coleta e levará o material para o seu Centro de Distribuição. Por fim, a indústria recolhe e providencia a destinação final para os medicamentos. A comunicação entre os três setores da cadeia será feita em um sistema único, uma plataforma online, que ainda será desenvolvida. Por esse sistema, será possível também rastrear o resíduo, acompanhando desde a coleta na farmácia até a etapa final de incineração.

Todo esse acordo ainda está no papel. Ele teve início com a publicação da Lei Federal nº 12.305/2010, que instaurou a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e é fruto também de mais de dez anos de negociações entre Ministério do Meio Ambiente e 17 entidades do setor farmacêutico, como Febrafar e Abradilan. Elas farão parte do grupo de trabalho que será montado para definir cronograma de implantação, farmácias participantes e vários outros detalhes que dizem respeito à operação na prática.

Segundo a Abradilan, os detalhes de como a distribuição e a indústria farão a coleta ainda serão definidos. E todas as atividades de recebimento, coleta, armazenamento e transporte dos medicamentos deverão ter autorização e licenciamento ambiental dos órgãos federais do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama).

Por fim, vale destacar que não incidirá imposto sobre a logística reversa de medicamentos, tendo em vista serem resíduos transportados e não mais medicamentos.

A Ascoferj fez uma LIVE sobre o assunto. Assista e fique por dentro de outros detalhes sobre o tema.

Veja também: Decreto de logística reversa de medicamentos é aprovado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Fechar Menu