EnglishPortugueseSpanish

Drogarias brasileiras apostam na venda de novos produtos

Drogarias estão cada vez mais investindo em novos produtos
Foto: shutterstock

O mercado farmacêutico vem se reinventando ao longo dos últimos anos e, hoje em dia, é muito comum perceber que o tempo em que vendia somente medicamentos já passou. O modelo de drugstores, conceito americano em que é possível encontrar desde brinquedos até eletrônicos, já é uma realidade no Brasil, e regulamentado pela Anvisa.

Exemplos de redes

A rede de farmácias Walgreens, uma das maiores dos Estados Unidos, é referência em vendas de itens que geralmente não seriam encontrados nesses estabelecimentos. No Brasil, a Farmácia Farma e Farma, de Prudentópolis, no Paraná, está começando a seguir esse modelo. Recentemente, a franquia incluiu no mix de produtos a Outfog, uma flanela com tecnologia antiembaçante para pessoas que precisam usar óculos e máscaras de proteção contra a Covid-19 ao mesmo tempo.

O proprietário da Farma e Farma, Leomar Kaczarouski, revela que os clientes receberam bem o novo produto por conta da dificuldade do uso de óculos junto com as máscaras: “O retorno foi bom devido ao fato de que os clientes que compraram indicavam a flanela para seus amigos e parentes. Era um produto que faltava no mercado farmacêutico e, com certeza, continuaremos a ter sempre em estoque, haja vista que as vendas da flanela deram uma excelente lucratividade, superando a nossa expectativa”.

Procura dos consumidores

Kaczarouski destaca que os consumidores têm buscado cada vez mais as farmácias como opção para a compra de itens para o dia a dia: “Os produtos procurados vão desde barras de cereais e proteína até guloseimas, como balas e chocolates. O sucesso desses itens também se dá ao fato de que normalmente, quando a pessoa entra na farmácia para comprar algum medicamento, ela acaba levando algum outro produto. E esse investimento em novos itens representa um aumento no faturamento de qualquer farmácia, além de ser um diferencial competitivo para o estabelecimento”.

Categorias mais procuradas

A venda dos chamados não medicamentos, principalmente de itens de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (HPPC), é o que mais chama a atenção dos varejistas.  Um levantamento divulgado pela Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar) mostra que 32% das vendas totais das farmácias brasileiras, em 2018, foram resultado de não medicamentos, principalmente de produtos de HPPC, com um faturamento equivalente a R$ 120,3 bilhões.

“Na Farma e Farma, os itens de higiene pessoal, perfumaria, conveniência e beleza já representam importante fatia do faturamento da farmácia, sendo um dos mais procurados depois dos remédios”, completa o proprietário da franquia.

Veja também: Farmácias totalizam mais de 600 mil testes de Covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu