EnglishPortugueseSpanish

Renda Brasil deve ser fim de Farmácia Popular, que atende mais de 20 milhões por ano

Farmácia Popular
Foto: Divulgação

O portal do Estadão noticiou, na noite desta segunda-feira (24/8), que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe estão cogitando encerrar o programa Farmácia Popular, que, em 2019, atendeu 21,3 milhões de pacientes. O projeto oferece medicamentos gratuitos ou com descontos de até 90% nas farmácias credenciadas pelo governo federal, posteriormente reembolsadas.

De acordo com o jornal, o objetivo de Guedes é alcançar um benefício médio de R$ 247 mensais ao Renda Brasil, programa que deve substituir o Bolsa Família e, para isso, avalia extinguir o Farmácia Popular, considerado improdutivo no viés econômico por contemplar toda a população, independentemente de renda. 

Farmácia Popular

Criado em 2004, o programa tem orçamento de R$ 2,5 bilhões para 2020, e R$ 1,5 bilhão já foi pago. Dados de fevereiro do Plano Nacional de Saúde, documento que orienta ações do ministério até 2023, mostram que 31 mil farmácias estão credenciadas em 3.492 municípios, o equivalente a 79% do total.

O Plano prevê a meta de expansão da rede para 90% dos municípios com menos de 40 mil habitantes – hoje, o Farmácia Popular atinge 75%. “Evidências demonstraram que o programa reduziu as internações hospitalares e mortalidade em relação à hipertensão e diabetes”, explica o ministério no documento.

Ao todo, as farmácias credenciadas oferecem 35 medicamentos, sendo 20 gratuitos. Os produtos tratam doenças como hipertensão, diabetes, asma, doença de Parkinson e glaucoma. Há ainda descontos para contraceptivos e fraldas geriátricas.

Setor farma reage ao possível fim

O presidente-executivo da Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogaria (Abrafarma), Sérgio Mena Barreto, acredita que o programa pode passar por ajustes, como distribuir medicamentos apenas às pessoas que se consultaram no SUS, mas não totalmente extinto.

“Quando não se cuida do diabetes e hipertensão, a conta fica maior. Essas duas doenças, por exemplo, dão origem a uma série de agravos e comorbidades que custam muito mais caro ao Brasil”, explica.  

A Abrafarma calcula que as vendas de medicamentos pelo Farmácia Popular devem aumentar 17% em 2020. “Isso é sinal de pobreza, de que tem mais gente precisando buscar o remédio pelo programa”, comenta Mena Barreto. 

Telma Salles, presidente da PróGenéricos, avalia que o programa é essencial para reduzir gastos da União com a saúde, já que controla, em sua maioria, doenças crônicas. O presidente do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), Nelson Mussolini, avalia que acabar com o programa é o mesmo que dar “um tiro no pé”.

“O ministério da Saúde tem dois programas que são muito exitosos. Um é o programa de tratamento e prevenção do HIV/Aids, reconhecido mundialmente. O outro é o Farmácia Popular”, afirma Mussolini.

Debora Melecchi, conselheira nacional de saúde e representante da Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar), comenta que o fim do programa pode trazer despesa à população mais pobre, que já é atingida pela pandemia da Covid-19: “A saúde tem de ser vista como um investimento, não como um custo ao governo”.

Veja também: 5 indicadores que a farmácia deve medir sempre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu