EnglishPortugueseSpanish

Trade marketing na farmácia: como fazer?

Trade marketing
Foto: Humberto Teski

O trade marketing surge da necessidade de evitar que produtos fiquem encalhados nas prateleiras das farmácias. Para falar sobre o assunto, o convidado da semana, no É De Farmácia, é Ubiratan Lima, especialista no assunto.

Conceito e história do trade marketing

O trade surgiu da mudança do antigo modelo de varejo, em que o fornecedor fazia propaganda, venda e cobrança a cada 60 dias na farmácia, para um novo modelo, em que o fornecimento de produtos é muito maior, quase diário.

“A indústria percebe essa diferença e sai do modelo de transferência de estoque. Com os novos consumidores chegando no mercado e a ascensão da tecnologia, há a necessidade de o produto girar na ponta”, explica Ubiratan, com uma linguagem própria de quem vivencia diariamente o assunto.

Para atender a demanda, novas farmácias surgiram, mostrando para a indústria que o mercado estava cada vez mais atrativo. Com isso, multinacionais adquiriram laboratórios brasileiros, mudaram modelos e trouxeram, ao País, produtos consagrados internacionalmente.

“O trade nasce para fazer a intermediação entre o varejo e o público. O varejo sabe vender, a distribuição sabe levar o estoque ao varejo. A indústria sabe produzir e levar o produto até a distribuidora. Alguém precisava fazer a interlocução com o público”, diz o especialista.

Trade na prática

Para fazer com que o trade dê certo, é preciso haver uma parceria entre as lojas e os fornecedores. “Se você quer ser reconhecido como varejo que tem produtos, você precisa tê-los de verdade. Não dá para ter discurso e ação diferentes. Para ser reconhecida como uma farmácia que vende cosméticos, é preciso encontrar produtos desse tipo na loja”, ressalta Ubiratan.

O especialista fala ainda sobre um ponto importante no trade: a equipe. “Por haver uma grande concorrência, a equipe inteira precisa estar envolvida no processo. Se você não tiver a ajuda dos colaboradores, dificilmente conseguirá alcançar o que deseja na ponta”.

Além disso, o relacionamento entre público, varejo, indústria e distribuição precisa ser bom para facilitar o processo.

Desafio do varejista é vender bem

O especialista comenta ainda sobre a importância de vender bem. “O que paga a conta é lucro, que é a diferença entre compra e venda. Se você comprar mal, nunca vai vender bem. Se comprar bem, pode até vender mal, mas ainda assim vai ganhar dinheiro. É no ato da compra que o empresário vai estabelecer a sua boa rentabilidade”, finaliza.

Veja também: Marketing digital para farmácias: como engajar clientes?

Assista ao programa completo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu