EnglishPortugueseSpanish

Future Trends traz médico israelense para compartilhar experiências do país com a digitalização da saúde

Digitalização da saúde
Foto: freepik

Uma das palestras  do Abrafarma Future Trends 2020, congresso que reúne o varejo farmacêutico para conhecer as principais tendências do setor e da saúde, ocorrida na última terça (15/9), trouxe o israelense Yossi Bahagon, médico de família e consultor especial da Organização Mundial da Saúde (OMS) para falar sobre o tema “O futuro da saúde já é realidade em Israel”. Ele participou diretamente do processo de digitalização do sistema de saúde no país.

Saúde digital

Segundo Yossi Bahagon, a implantação de novas tecnologias na área da saúde vem acontecendo há, pelo menos, dez anos em Israel. Desde então, a população tem acesso ao todo o histórico médico numa plataforma que pode ser acessada pelo celular.

“Em vários países, o sistema de saúde está quebrado e tem muitos detalhes para melhorar: não é personalizado, é caro, não está disponível para todos. Em Israel, nós fazemos justamente o contrário”, revelou o médico.

O palestrante explicou que a base da saúde digital não é a tecnologia, mas a forma como pode contribuir para melhorar a vida da população. Por isso, a saúde lá é conhecida como e-health, e os pacientes são chamados de e-patients.

Plataforma digital e personalizada

A plataforma tem como objetivo tornar os pacientes parceiros na gestão de sua saúde. “Ao desenvolvê-la, pensamos em três princípios: o que o paciente pode ver, o que ele precisa saber e o que ele pode fazer”, detalhou Bahagon.

Dessa forma, os israelenses têm acesso a todos os registros de internações, exames, valores pagos e dados de saúde próprios e de seus filhos até os 18 anos de idade, levando em consideração inclusive aspectos éticos no compartilhamento de dados.

“Avaliamos quais dados poderiam ser divulgados automaticamente após um exame e quais poderiam ser somente depois de o paciente falar com médico dele. Não é fácil receber a notícia de que se está com HIV, por exemplo, sem o apoio de um profissional”, comentou.

Todo o conteúdo divulgado é acompanhado de explicações personalizadas, inclusive por meio de vídeos, baseadas nos resultados do paciente – o que é a condição, o que é o tratamento, quais são as regras. Além disso, a plataforma também faz recomendações de exames caso haja histórico familiar de alguma doença específica, como câncer de mama.

Telemedicina e compra de medicamentos

Outro benefício da e-health é a telemedicina, que permite aos pacientes acompanhamento constante com os profissionais da saúde. “Usada em todo o país, conta com mais de 15 mil consultas por mês, ajudando a reduzir o encaminhamento desnecessário ao pronto socorro em mais de 47% dos casos”, diz o médico.

Israel utiliza o Tytocare, um aparelho que possibilita exames físicos remotos, como auscuta do coração, ouvido e garganta. Tudo funciona por meio de um aplicativo intuitivo, que guia o paciente a como se posicionar corretamente para que ele faça a leitura do corpo e envie para o profissional da saúde avaliar.

Com isso, os pacientes que fazem esse acompanhamento conseguem comprar os medicamentos de uso contínuo mais facilmente. “As pessoas assinalam no aplicativo o produto que precisam, e a informação vai diretamente para o médico, que faz a prescrição eletrônica e a envia para um banco de dados seguro. Depois de pronta a prescrição, o cliente é avisado e pode ir à farmácia retirar o medicamento sem nenhum papel em mãos”, destacou.

Inteligência Artificial

Entre os muitos investimentos em tecnologia feitos por outros países e pelo próprio governo e empresas privadas de Israel, o mais recente é o aplicativo Sweetch Health, que utiliza inteligência artificial (IA) para levar recomendações sobre a diabetes de forma personalizada à população.

“É possível colocar no Sweetch Health todas as informações sobre a sua saúde: peso, altura, temperatura, localização, seu cronograma de atividades e dados sobre a glicemia. A partir disso, a IA entende os hábitos diários do paciente e cria recomendações pertinentes a cada hora do dia. Por exemplo, se o paciente tem 45 minutos de pausa no trabalho, é sugerido que ele vá até uma cafeteria próxima caminhando para pegar um cappuccino”, revela Bahagon.

Atualmente, o aplicativo está sendo traduzido para o português e deve chegar, em breve, ao Brasil.

Veja também: Vacina contra a Covid-19: Future Trends traz três possíveis cenários

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu