EnglishPortugueseSpanish

Tratamento para doença pulmonar está disponível para pacientes com esclerose sistêmica

Doença pulmonar
Foto: freepik

A principal causa de morte (70%) em pacientes com esclerose sistêmica (ES) é a doença pulmonar intersticial (DPI). Até então não havia um medicamento específico para o tratamento no Brasil e no mundo, mas a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o que passa a ser o único recurso terapêutico para a enfermidade, chamado de nintedanibe.

O tratamento

O medicamento já é aprovado no Brasil e em mais de 70 países para o tratamento da fibrose pulmonar idiopática (FPI) e câncer de pulmão não pequenas células (CPNPC). Agora, os pacientes com DPI-ES terão a possibilidade de desacelerar a progressão da fibrose pulmonar.

“O tratamento da DPI-ES é complexo, mas com a nova indicação do nintedanibe, os pacientes ganham uma esperança de ter um melhor controle do acometimento pulmonar”, explica a médica reumatologista Cristiane Kayser, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Esclerose sistêmica

É uma doença autoimune crônica inflamatória que acomete pequenos vasos sanguíneos, pele e articulações, e pode evoluir para fibrose e perda de função de órgãos internos. Acontece por conta de uma maior concentração de colágeno nas camadas da pele, que a deixa espessada e endurecida.

“Os dois primeiros anos costumam apresentar uma piora e progressão mais acentuada da doença, que progride das extremidades, como mãos e pés, para braços, pernas, face, tronco e abdome”, afirma a especialista.

A esclerose sistêmica pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, sexo e raça, mas a prevalência é de quatro a nove vezes maior em mulheres.

Doença pulmonar intersticial

O acometimento pulmonar acontece em 70% dos casos da ES, costumando aparecer nos primeiros cinco anos de diagnóstico da doença. Por isso, é importante fazer o acompanhamento médico desde o início do diagnóstico.

“Como a doença pulmonar intersticial pode não ser identificada somente no exame físico, é fundamental uma investigação pulmonar precoce com tomografia computadorizada de alta resolução, conhecida pela sigla TCAR”, alerta a médica.

A falta de tratamento específico para a DPI sempre preocupou a classe médica. “A aprovação da nova indicação do medicamento pela Anvisa oferece um controle efetivo e seguro da progressão da DPI-ES, o que deve aumentar em longo prazo a sobrevida dos pacientes”, diz a profissional.

Tipos de ES

A esclerose sistêmica é classificada de duas maneiras: cutânea limitada (EScl) e cutânea difusa (EScd), o que as difere é a extensão do acometimento da pele. Na forma limitada, o espessamento da pele se restringe às mãos, antebraços, pernas e pés. Na difusa, as mesmas partes são afetadas, além de braços, coxas e tronco.

Pacientes com as duas formas da doença podem apresentar a DPI associada. Em um estudo europeu com mais de 3500 pacientes, 35% dos que têm EScl e 53% dos que têm EScd apresentam fibrose pulmonar.

“Esse estudo mostra que independentemente de como a ES se manifesta nos pacientes, é comum o aparecimento da doença pulmonar, por isso é preciso investigar todos os pacientes com esclerose sistêmica”, finaliza Cristiane.

Veja também: Registro de medicamentos pela Anvisa cresce 100%

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu