EnglishPortugueseSpanish

Calvície masculina: causas e tratamentos

Calvície acomete principalmente homens
Foto: shutterstock

A calvície, também chamada de alopecia androgenética, é uma forma de queda de cabelos geneticamente determinada. Segundo informações da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o problema é comum na população, atingindo mais de 2 milhões de pessoas por ano.

Principais causas da calvície

A queda de cabelos está diretamente ligada a genes de calvície herdados de algum familiar. Esses genes, quando em contato com os hormônios masculinos, especialmente a testosterona, deflagram o processo da calvície. A testosterona, convertida em di-hidrotestosterona (DHT), faz com que os fios fiquem cada vez mais finos e caiam. Logo, os homens sofrem mais com a calvície do que as mulheres, que têm casos mais raros e menos drásticos.

Além disso, fatores como a hereditariedade, excesso de oleosidade, aplicação de muitos produtos químicos, distúrbio de tireoide, má alimentação, carência de vitaminas, estresse e alguns medicamentos também são fatores que desenvolvem o problema.

Ciclo de vida dos cabelos e primeiros sinais do problema

O ciclo de vida de um fio é marcado pelas fases de crescimento, repouso e queda. Geralmente, 90% dos nossos cabelos estão em fase de crescimento; ficam na fase de repouso por volta de um ano e meio a dois anos; e depois caem. Geralmente, as pessoas podem perder de 50 a 100 fios de cabelo por dia, sem que a calvície se desenvolva, por causa da renovação contínua.

A alopecia androgenética geralmente se inicia na adolescência, por volta dos 17 anos, quando os estímulos hormonais acontecem com mais frequência, fazendo com que a cada ciclo de vida os fios nasçam mais finos. Entretanto, só fica totalmente aparente por volta dos 40 ou 50 anos de idade.

Dados sobre a alopecia androgenética

Dados divulgados pela Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC), no final de 2018, mostram que aproximadamente 42 milhões de brasileiros sofrem com a calvície. O número expressivo de jovens entre 20 e 25 anos que têm alopecia também chamou a atenção. A Organização Mundial da Saúde (OMS) reitera que o problema atinge metade dos homens com até 50 anos.

Tratamento por intervenção cirúrgica

Ainda que não haja cura para o problema, existem algumas opções que podem auxiliar as pessoas que estão sofrendo. Dependendo da intensidade, pode ser necessário recorrer à intervenção cirúrgica. Nesse caso, é indicado o transplante capilar, chamado de FUE, sigla em inglês para Follicular Unir Excision, que significa, na tradução, excisão de unidade folicular. O procedimento consiste em remover as unidades foliculares da área doadora e colocá-las na região que sofre com a alopecia.

O cirurgião plástico e especialista em transplante capilar, Dr. Alan Wells, explica que o método só é possível porque a calvície não atinge todo o couro cabeludo. “Essa destreza na extração dos fios ocorre porque os orifícios são feitos com aparelhos pequenos, com 0.8 a 0.9mm de diâmetro e, mesmo que não exista cura para a calvície, como os folículos inseridos não possuem a tendência da queda, essa solução acaba sendo duradoura para o paciente”, explica.

Outros tipos de tratamentos para calvície

Contudo, algumas pessoas podem utilizar apenas um tratamento clínico com medicamentos específicos. O Food and Drug Administration (FDA) é um órgão americano que controla a produção de três tratamentos para a alopecia androgenética – Finasterida, Minoxidil e Low Level Light Therapy (LLLT).

O primeiro – Finasterida – consiste em um comprimido que ajuda a regular a quantidade de testosterona convertida em DHT, responsável por parte da queda do cabelo. O segundo – Minoxidil – é uma loção tópica que aumenta a circulação no local aplicado, nutrindo e reativando os folículos vivos do local. Entretanto, alguns dos efeitos colaterais são coceira, irritação da área aplicada ou nos olhos.Ambos são comercializados em farmácias e podem ser adquiridos após consulta médica com prescrição.

O terceiro – LLLT – utiliza leds de baixa intensidade que prolongam a fase de crescimento capilar e melhoram a densidade do cabelo. Seu efeito fotobiomodulador regula a produção de energia celular, o que gera vasodilatação, a disponibilidade de oxigênio e o aporte de nutrientes no bulbo capilar.

Wells explica que o quadro pode se apresentar de formas distintas em cada pessoa e, por isso, é preciso fazer acompanhamento com um médico. “Os fios podem cair de forma lenta ou progressiva, não existe uma regra, muitas pessoas nem percebem que estão perdendo cabelo, já outras sentem a diferença quando passam a mão na cabeça e veem vários fios caindo. O ideal é que seja consultado um médico especialista para entender o real motivo, que pode ser genético ou não, e a partir daí são indicados os possíveis tratamentos ou transplante”, explica o cirurgião plástico.

Novas descobertas de tratamento

Em julho do ano passado, pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) anunciaram o desenvolvimento de um tônico capilar que combate a queda dos cabelos. De nome Sanctio, o produto cosmético, de uso tópico, é resultado de mais de 20 anos de pesquisas que envolvem a nanotecnologia.

Foram realizados testes com 60 voluntários que sofrem com a perda de cabelo e, nos resultados, foi comprovado que o tônico ajuda na manutenção dos fios na fase de crescimento. Um dos coordenadores da pesquisa, o professor Robson Santos, explica que houve comprovação científica da eficácia. “Em 66% dos casos, a densidade capilar aumentou e houve paralisação da queda”, afirma.

O Sanctio atua de três formas diferentes: aumentando o aporte de nutrientes no bulbo capilar, impedindo a morte das células responsáveis pelo desenvolvimento do fio, e tendo ação antioxidante, o que melhora a qualidade do cabelo e retardada a queda. Além disso, os efeitos irritante e alergênico demonstraram segurança dermatológica. E o produto não causa efeitos colaterais como disfunção erétil e irritação local.

Santos explica que o produto pode ser usado por homens e mulheres, e que deve ser utilizado, de preferência, no início da queda capilar. Os resultados começam a aparecer cerca de três meses após o início do tratamento. “Para usá-lo, é necessário apresentar folículos ainda ativos para que o produto tenha eficácia”, explica.

O tônico capilar foi inicialmente comercializado pela Yeva Cosmétiques em Minas Gerais. Entretanto, com o sucesso dos resultados, a empresa está ampliando as vendas para as farmácias do Rio de Janeiro, Paraná, Bahia e Pernambuco, além do comércio online.

Veja também: Homens gastam, em média, 48 min com rotina de beleza diária

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu