EnglishPortugueseSpanish

Mercado de trabalho: existe um novo perfil de trabalhador?

Perfil de trabalhador
Foto: freepik

O perfil das organizações e do trabalhador evolui a cada ano. As relações sociais, transformações na sociedade, globalização e as novas tecnologias contribuem para as mudanças na concepção de trabalho. 

Especialistas que analisam o mercado de trabalho notaram as alterações no relacionamento entre empresa e funcionário, que envolvem bom desempenho, aumento de produtividade e felicidade no ambiente profissional.

Qualificação ainda é importante

A diretora da Business Partners Consulting Interior São Paulo, Viviane Gonzalez, acredita que formação acadêmica, especialização, pós-graduação ou MBA; dominar a língua inglesa e saber falar uma terceira língua; e ter experiência na área de atuação ainda são fundamentais.

Mas o diferencial está nas qualidades e habilidades pessoais do colaborador. Particularidades como ter pensamento estratégico e enxergar soluções e saber como implantá-las podem fazer com que ele saia na frente. “São as características do candidato que o levam na direção certa, não apenas o conhecimento específico ou formação que teve na academia”, diz Viviane.

Profissional decidido faz a diferença

Na visão da diretora, ter iniciativa, criatividade, liderança, aprendizagem contínua, boa comunicação, habilidade para trabalhar em equipe e capacidade de planejamento da carreira chamam bastante atenção. “O trabalhador moderno é uma pessoa bem resolvida, que possui alto grau de motivação e potencial para chegar onde deseja. Ele não precisa de estímulos, está em constante aprendizado”.

Esse perfil surgiu em resposta às constantes demandas do mercado por atualização e desenvolvimento de habilidades e competências.

Empresas também devem se atualizar

De acordo com a professora da IBE Conveniada FGV e especialista em Recursos Humanos (RH), Beth Johann, as mudanças do trabalhador imprimiram uma nova postura às empresas e seus administradores.

“Antes, o executivo mandava como queria. Hoje, a situação mudou. Ele deve ser um motivador, apresentar ideias, propor soluções, saber ouvir, contornar e negociar. Ele tem que ser mais flexível e conhecer além de si, o chefe autoritário não tem mais espaço. Essa é uma realidade em que as empresas precisam se enquadrar”, revela Beth.

Além disso, a ampliação das oportunidades de qualificação educacional e profissional permite ao trabalhador fazer novas exigências. “O nível de conhecimento adquiriu uma nova relação. O trabalhador passa a ser mais exigente e tolerar menos problemas. As empresas precisam ter consciência desse novo perfil e mudar”.

A especialista destaca a importância de ter um RH estratégico com política de retenção de talentos, abrangendo ofertas de cursos para aperfeiçoamento dos funcionários, mais oportunidades, melhores salários e benefícios que vão além da área profissional. “Ninguém sai de uma empresa que tem um bom ambiente, uma chefia pessoal e um bom salário. O funcionário somente sai se algo não estiver funcionando bem”, finaliza.

Veja também: Liderança no varejo: o que precisa ser diferente?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Maxcenter Drogarias Max

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias no seu Whatsapp

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu