EnglishPortugueseSpanish

Governo adia reajuste de medicamentos em 60 dias

O reajuste de medicamentos realizado no dia 1º de abril não vai ocorrer este ano. A determinação está na Medida Provisória 933/20.

O tradicional reajuste de medicamentos realizado no dia 1º de abril não vai ocorrer este ano. O adiamento, anunciado ontem informalmente pelo presidente da República, em uma mensagem na sua rede social, se confirmou nesta manhã com a publicação em Diário Oficial da Medida Provisória 933, de 31 de março de 2020.

O motivo, todos nós já sabemos: a emergência em saúde pública declarada pelo Ministério da Saúde em decorrência da infecção humana causada pelo novo coronavírus.

Ontem (31/03), chegou a se falar em prorrogação de 180 dias e exclusão dos medicamentos isentos de prescrição (MIPs), pois eles têm outros critérios para reajuste de preços. Mas essas informações não se confirmaram. O prazo de prorrogação é de 60 dias e vale para todos os medicamentos.

Posição da indústria

Procurado pela Revista da Farmácia, o Sindusfarma disse que não vai comentar o adiamento do reajuste porque não foi consultado.

Leia também: CFF adia pagamento de anuidades devido à crise do coronavírus

Posição do varejo

A Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) manifestou apoio integral à decisão do governo federal em suspender o reajuste de preços dos medicamentos por 60 dias. Desde o início das conversações com o poder público, das quais a entidade participou ativamente, a medida foi considerada totalmente pertinente ao cenário atual.

“O reajuste de preços é legítimo e devido, pois repõe as perdas e aumento de custos do setor produtivo, especialmente para a indústria, que está convivendo com a alta do dólar, impactando diretamente seus insumos. Porém, o momento é de solidariedade e colaboração, com o único objetivo de preservar a população brasileira e garantir que ela tenha acesso facilitado a medicamentos de primeira necessidade”, disse Sergio Mena Barreto, CEO da Abrafarma.

“Estamos em um momento de sacrifício para a população. Todo mundo tem que fazer um esforço. Agora temos que torcer para a indústria não começar a segurar alguns produtos. Nossa preocupação é que comece a faltar medicamento no mercado por causa disso”, comentou Danillo Teixeira, empresário em São Fidélis.

“Vejo com bons olhos. A gente já tinha tomado a decisão de não reajustar. Sei do desafio que todos nós estamos atravessando. A Positiva já tinha postado no Instagram ontem, antes de tomar conhecimento da decisão do governo. Íamos sacrificar a nossa margem. A farmácia é um agente de saúde e temos que ser multiplicadores para atender à demanda e garantir mais acesso ao medicamento”, disse Denilson Lisbôa, da Drogarias Positiva.

Outras redes, como Venancio e Raia Drogasil, já tinham anunciado que iriam adiar por 30 dias o reajuste no preço dos medicamentos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Receba as principais notícias no seu Whatsapp

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Fechar Menu