EnglishPortugueseSpanish

Isolamento impacta em hábitos de compra e consumo do brasileiro

Plataforma de pesquisa publica pesquisa que mostra hábitos de compra e consumo durante o isolamento social em decorrência da pandemia da covid-19.
Consumo durante isolamento
Foto: freepik

A Opinion Box, uma plataforma de pesquisa de pesquisa de mercado, publicou o seu mais recente levantamento sobre o impacto do isolamento nos hábitos de compra e consumo do brasileiro. As entrevistas ocorreram entre os dias 22 e 24 de abril, com 2.065 pessoas de todas as regiões do País.

Público-alvo da pesquisa

A maioria das pessoas entrevistadas está na região Sudeste (49%), seguida por região Nordeste (25%), Sul (13%), Centro-Oeste (8%) e Norte (5%). Foram mais mulheres (53%) do que homens (47%), na faixa etária de 30 a 49 anos (50%), de 16 a 29 anos (32%) e acima de 50 anos (18%).

Grande parte dos entrevistados pertence às classes C, D e E (81%), e a minoria às classes A e B (19%).

Isolamento

Segundo a pesquisa, o número de pessoas em isolamento total, ou seja, que não saem de casa para nada, chegou a 20%. Os adeptos ao isolamento social, que saem apenas para atividades essenciais, representam 58% dos entrevistados.

As pessoas que estão em isolamento parcial, ou seja, que evitam aglomerações mas continuam encontrando familiares e amigos, representam 18%. E 5% dos entrevistados não estão cumprindo a medida de afastamento.

Uma boa notícia é que o número de pessoas que utiliza máscaras todas as vezes que saem de casa aumentou de 30% para 46%. E o número de pessoas que nunca utiliza caiu de 27% para 13%.

Desemprego

O número de desempregados também aumentos: 3 em cada 10 entrevistados foram demitidos nesse período de quarentena; 35% que perderam o trabalho estão nas classes C, D e E, enquanto apenas 11% das classes A e B estão sem trabalho.

Vida financeira

Quando perguntados sobre os impactos do isolamento na vida financeira, os participantes da pesquisa disseram que deixaram de comprar itens não essenciais para economizar (57%) ou ainda pretenderem fazer essa adaptação (21%).

Outros deixaram de pagar contas e dívidas por não terem dinheiro para isso no momento (29%) ou precisaram pegar dinheiro emprestado com amigos e familiares (18%) ou com instituições financeiras (13%).

Consumo de itens essenciais

A mudança de rotina acabou gerando também novos gastos. Itens considerados essenciais passaram a ser mais consumidos: alimentação aumentou 49%; água e luz, 46%; produtos de limpeza, 45%; internet, 36%, pelo aumento do home office; gás, 34%; saúde e medicamentos, 34%. Enquanto isso, o consumo de combustível diminuiu 42%.

Veja também: Consumo no Brasil sofreu retração na primeira semana de quarentena

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu