2º dia do Abrafarma Future Trends discute mudança cultural na farmácia

Segundo dia do Abrafarma Future Trends discute mudança cultural na farmácia
Foto: iStock

No segundo dia do Abrafarma Future Trends, a Super Sessão do evento trouxe mais profissionais renomados para discutir os impactos da pandemia de Covid-19 nos processos das farmácias, a adaptação abrupta ao universo digital e a mudança cultural que o setor precisa ter para crescer na mesma velocidade em que a tecnologia.

Panorama geral da pandemia

O responsável por abrir o segundo dia do evento foi Jarbas Barbosa, vice-diretor geral da Organização Pan-ameriana de Saúde (OPAS). Em sua participação, ele deu um panorama geral do coronavírus no mundo, fazendo um alerta para a variante delta e ressaltando a importância da vacinação e de continuar tomando os cuidados de higiene necessários.

“Entraremos em 2022 ainda convivendo com a pandemia, e essa convivência precisa ser planejada. Os dados são irrefutáveis – as vacinas são eficazes. Vacinado, você reduz muito a chance de ser internado e ir pra UTI. Mas precisa continuar se protegendo por conta da transmissão. Pessoas vacinadas transmitem mais o vírus porque possuem carga viral maior, o que levanta uma preocupação muito grande: será que vão surgir outras variantes?”, indagou Jarbas.

Tecnologia é o futuro

O convidado internacional do dia foi Bertalan Meskó, médico e diretor do The Medical Futurist Institute (no português, Instituto de Medicina Futurista), que comparou a tecnologia na saúde com a ficção científica. Segundo ele, o sistema de saúde mundial não aceita bem inovações, o que acaba impedindo mudanças positivas de acontecerem mais rapidamente.

“Pessoas envolvidas na saúde têm dificuldade de se adaptar às mudanças, o que atrasa ainda mais os avanços. Antes eram 30 anos para se adaptar à uma única mudança, hoje são milhares de inovações por dia, o que pode ser pior para algumas delas. Muito disso acontece por medo do desconhecido, da inteligência artificial, da automação de procedimentos”, explicou Bertalan.

Com a chegada da pandemia, muitos profissionais da saúde precisaram deixar esses medos de lado, como aconteceu com a telemedicina, que durante anos era discutida e não se chegava a um consenso para regulamentação e hoje é utilizada diariamente.

O médico afirmou ainda que a grande tendência para o futuro pós-pandemia é incluir os pacientes nas decisões das companhias – desde o desenvolvimento de um novo medicamento até a criação de um procedimento médico -, um processo chamado de patient design (design do paciente).

Na opinião de Bertalan, os farmacêuticos são os recursos mais subutilizados no sistema de saúde: “No futuro, espero que as farmácias estejam usando tecnologias mais avançadas, quem sabe até imprimindo medicamentos em 3D e em doses customizadas para cada paciente. A tecnologia existe, mas, para usá-la, é preciso haver uma mudança de cultura”.

Painel da Abrafarma

Após a participação do médico, ocorreu o painel de discussões, que contou com a presença de Alexandre Mattar, diretor comercial da Farmácia Indiana; Patriciana Rodrigues, presidente do Conselho de Administração das Farmácias Pague Menos; Cristiano Hyppolito, CDO & C-Level Executive do Grupo DPSP; e Sammy Birmarcker, CEO da rede d1000.

Para Patriciana, as farmácias já vêm há alguns anos tentando virar a chave do uso da tecnologia no varejo: “Desde 2016 a Abrafarma vem fazendo esse trabalho, mas com a pandemia nossos estabelecimentos ajudaram intensamente a diminuir a distância entre o primeiro diagnóstico e o tratamento da doença, seja por meio dos exames laboratoriais, dos testes rápidos e da telemedicina. Nossos farmacêuticos puderam conhecer e ajudar o paciente por meio da digitalização”.

Alexandre complementou dizendo que a farmácia fez uma viagem ao tempo e o farmacêutico voltou a ser um dos pontos centrais da saúde: “Passaram um tempo afastados do cliente, mas estão voltando a se relacionar de forma estruturada. Isso é importante para o futuro. Temos hoje 30 milhões de brasileiros com mais de 60 anos e, em breve, esse número dobrará. Como a saúde pública daria conta dessa massa? A farmácia tem toda a condição de contribuir com o sistema de saúde”.

Os executivos também ressaltaram a importância do empoderamento do farmacêutico e sua atuação na conscientização e estímulo ao tratamento, considerando-o a humanização da tecnologia. “O importante é saber o histórico do paciente, e não o enxergar apenas como um CPF”, disse Cristiano.

Um exemplo disso é a iniciativa da d100 em fechar uma parceria, ainda em andamento, com hospitais para que as lojas já tenham acesso à receita digital assim que o paciente sair da consulta com o médico. Sammy levantou outro ponto fundamental dentro da chamada saúde digital: o incentivo à equipe interna. É preciso estimulá-los e treiná-los, trazendo para o dia-a-dia a responsabilidade social e o cuidado com o outro.

Veja também: Transformações na farmácia durante pandemia são tema do primeiro dia do Abrafarma Future Trends

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias Canal Farma

Receba notícias, conteúdos e vídeos do YouTube sobre o setor farmacêutico com nosso canal no Telegram.

Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

loading...

Receba as principais notícias direto no celular

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia