Último dia do Abrafarma Future Trends traz dados do setor e perspectivas para 2022

Dados do mercado apresentados no Abrafarma Future Trends
Foto: freepik

A última sessão do Abrafarma Future Trends 2021 aberta ao público, ocorrida na última sexta-feira (17), trouxe informações atualizadas sobre a performance do varejo farmacêutico este ano e o que é possível esperar de 2022, quando a pandemia da Covid-19 estiver ainda mais controlada. Participaram do painel Paulo Paiva, vice-presidente da Close-up International América Latina, e Sydney Clark, vice-presidente sênior de Consultoria e Tecnologia da IQVIA, ambas empresas que auditam o mercado.

Impacto da pandemia nas vendas

Iniciando o painel, Paulo relembrou os desafios do começo da pandemia e a massiva migração de demanda dos grandes centros para as farmácias de bairro, geralmente independentes. Entre o período de julho de 2020 e julho de 2021, as grandes redes – localizadas próximas aos escritórios – sofreram o impacto dessa mudança, passando de 55% para 50,7% em valores. Contudo, já é possível perceber o começo de uma inversão.

No mesmo período, as lojas independentes passaram de uma participação de 26,1% para 25,7%. As redes associativistas continuam crescendo, indo de 10,5% para 13,3% do total, enquanto as demais redes representam o mesmo percentual: 6,5%. Outro reflexo da pandemia é o aumento das compras digitais, que saiu de 1,8% para 3,8%. Ao todo, foram movimentados R$ 103,2 bilhões nos 12 meses móveis.

Destaque para os medicamentos crônicos

Um ponto destacado por Paiva foi o crescimento das vendas dos medicamentos crônicos: “A Covid-19 gerou nos pacientes de doenças crônicas maior preocupação com os riscos de complicações caso fossem infectados pelo vírus. Por esse motivo, a adesão ao tratamento foi muito maior. Os medicamentos cardíacos chegaram à marca de 450,9 milhões (16,9%) de unidades vendidas, enquanto os para diabetes representaram 114,7 milhões (22,4%) e os respiratórios venderam 540 milhões (21,95%)”.

O executivo ressaltou a relevância da farmácia e a oportunidade de negócio. Segundo ele, os pacientes estão ainda mais conscientes dos benefícios do tratamento contínuo – diminuição de sintomas e prevenção de outras doenças – e, por isso, podem procurar as farmácias para orientação e atendimentos básicos.

“Abre-se o leque de serviços que podem ser realizados pela farmácia com o acompanhamento e alerta de compra de medicamentos de uso crônico. É preciso aproveitar a oportunidade de ser o local de saúde mais próximo à população”, afirmou o vice-presidente da Close-up.

Gastos na farmácia

De acordo com Sydney, houve, nas farmácias, um gasto de aproximadamente R$ 150 bilhões nos 12 meses móveis terminados em julho de 2021, equivalente a um crescimento de 6,6% em unidades vendidas (6,9 bilhões ao todo).

As macrocategorias contribuíram para o resultado positivo. Por exemplo, os medicamentos de prescrição antes da crise trazida pelo novo coronavírus cresciam ao ritmo de 7,2%, enquanto no primeiro ano de pandemia passaram a 10,8% e agora, no segundo ano, 12,2%. Outro destaque são os medicamentos de cuidados ao paciente, que representavam apenas 14,6% das vendas antes da Covid-19 e, posteriormente, passaram a 29,3% e 28,7% em 2020 e 2021, respectivamente.

O vice-presidente da IQVIA também comentou sobre os produtos que estão voltando a ser procurados pelos clientes e os que estão em desaceleração. No primeiro grupo, enquadram-se os medicamentos para gripes e resfriados, de prescrição, analgésicos, cosméticos, contracepção e higiene oral. No segundo, as vitaminas, os suplementos, os produtos para cabelo e os calmantes.

Sydney alerto ainda que há muitas possibilidades de mercado além de Rio de Janeiro e São Paulo. No período estudado, a Região Centro-Oeste foi a que apresentou o maior crescimento (16,4%), seguida pela Região Norte (16,1%), Região Nordeste (13,4%), Região Sul (13,3%) e, por fim, a Região Sudeste (10,7%).

Expectativas para 2022

Analisando o que foi executado pelas farmácias durante a pandemia e que pode ser uma prática no futuro, ambos os executivos destacaram que o varejo possui muitas oportunidades para ter resultados ainda melhores.

“Pensando na farmácia do futuro, existe uma parcela importante que é a farmácia do presente, que presta um serviço social para a população. A pandemia deixou claro que a farmácia está aí para ajudar. Agora é preciso aproveitar a oportunidade de expandir para outras localidades – e até mesmo regiões do País – garantindo a eficiência da operação”, comentou Sydney.

Paulo complementou falando sobre a importância de definir as estratégias das vendas online: “É preciso tomar decisões e criar estratégias baseadas em números. No virtual, o cliente está muito mais focado em comprar apenas o produto que está precisando. O desafio da farmácia é não perder as compras por impulso, que acontecem muito nas lojas físicas”.

Veja também: 2º dia do Abrafarma Future Trends discute mudança cultural na farmácia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias Canal Farma

Receba notícias, conteúdos e vídeos do YouTube sobre o setor farmacêutico com nosso canal no Telegram.

Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

loading...

Receba as principais notícias direto no celular

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia