EnglishPortugueseSpanish

Anvisa e Fiocruz discutem registro de vacina contra Covid-19

Primeira reunião para discutir o tema aconteceu no dia 19 de agosto.
Anvisa e Fiocruz discutem registro de vacina
Foto: shutterstock

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) realizaram a primeira reunião para tratar do registro da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca do Brasil. Chamada de ChAdOx1 nCoV-19, mas conhecida como AZD1222, a vacina obteve, em junho, aprovação da Agência para a realização de estudos clínicos de fase 3. O encontro virtual aconteceu no dia 19 de agosto.

A vacina Access to Covid Tools (ACT) Accelerator faz parte do programa de aceleração da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o acesso a produtos contra a Covid-19.

Detalhes da reunião

Foram apresentadas, na reunião, informações sobre as instalações produtivas do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), unidade da Fiocruz responsável por pesquisa, inovação, desenvolvimento tecnológico e produção de vacinas, reativos e biofármacos voltados ao atendimento de demandas de saúde pública.

Também foram tratados os aspectos relacionados ao processamento final da vacina em Bio-Manguinhos e à produção do insumo farmacêutico ativo (IFA) que compõe o imunobiológicos, assim como as expectativas de produção e controle de qualidade.

Segundo informações, Bio-Manguinhos realizará as etapas de formulação, envase e rotulagem da vacina, utilizando as instalações do Centro de Processamento Final (CPFI) e do Pavilhão Rockfeller, destinado à fabricação de vacinas virais e que tem pré-qualificação da OMS. Já o IFA será produzido no Centro Henrique Pena.

 União de esforços

“A Anvisa e a Fiocruz vêm trabalhando juntas para melhorar o combate à Covid-19, com foco na discussão sobre o registro de uma vacina. A reunião contribuiu para estreitar laços e tratar de aspectos gerais do desenvolvimento vacinal”, comenta Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa.

Para Nisia Trindade Lima, presidente da Fiocruz, “trata-se de um momento bastante singular, que requer a união de esforços e expertises para que possamos encontrar soluções no mais breve tempo possível. A vacina só será possível com intensa articulação e colaboração de todos os envolvidos. Para isso, os especialistas das duas instituições atuarão de forma integrada ao processo de produção da vacina, para que possam avaliar cada etapa, à luz da ciência, e realizar todas as análises necessárias”, comentou ela.

Maurício Zuma, diretor da Bio-Manguinhos, concorda que o alinhamento entre as instituições é fundamental para que o registro da vacina possa acontecer o mais rapidamente possível.“Essa análise prévia possibilita medidas antecipadas para facilitar a importação dos insumos , da vacina e disponibilizá-la mais rapidamente ao Sistema Único de Saúde”, finaliza Zuma.

Veja também: Vacina contra coronavírus da Farmacore receberá novos investimentos

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu