EnglishPortugueseSpanish

Grupo DPSP volta a negociar com Femsa

Grupo DPSP começa a negociar com Femsa
Foto: Divulgação

O portal do Valor Econômico divulgou, esta quinta-feira (3007), que o grupo DPSP, formado pelas Drogarias Pacheco e São Paulo, retomou as negociações para a venda de 100% da operação ao grupo Femsa, que administra cerca de três mil farmácias no México, Colômbia, Chile e Equador.

O Valor apurou que a valorização das redes no setor, como observado nas últimas ofertas, animou os sócios novamente. A primeira tentativa de negociação foi em 2019, mas divergências em relação a preço atrapalharam o acordo.

Valor da negociação

Atualmente, a DPSP é a segunda maior rede de farmácias do Brasil, tendo crescido 7% no último ano. Ainda que tenha sido abaixo do mercado (11%) e de rivais como a Raia Drogasil, as projeções para 2020 e 2021 mostram uma aceleração nas vendas e no lucro operacional, o que poderia elevar o valor final da transação caso o negócio seja concluído.

Uma fonte ouvida pelo portal explica que a empresa estaria avaliando o negócio em cerca de 20 vezes o seu lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebtida) projetado para 2020, que ficaria na faixa de R$ 600 milhões, e para 2021, na de R$ 750 milhões. Tais valores levariam a uma operação entre R$ 12 bilhões e R$ 15 bilhões.

A rede iniciou o ano menos alavancada, o que favoreceria o valor líquido final do acordo, descontando as dívidas. A dívida ficaria em torno de R$ 750 milhões, enquanto, em 2018, chegaria a R$ 1 bilhão.

Grupo Femsa

Conhecido como engarrafador da Coca-Cola, o grupo Femsa começou a investir em farmácias no México em 2013, e é também dono da Oxxo, maior rede de lojas de conveniência da América Latina. Nos últimos anos, vem investindo na área de saúde e conveniência no Brasil. No segmento farmacêutico, controla varejistas como Moderna, Farmacon, YZA, Fybeca and SanaSana e Cruz Verde.

Antigas negociações da DPSP

Em 2016, diversos altos e baixos teriam impedido a venda da DPSP para a CVS. Ao todo, são 12 sócios pelo lado da Drogaria São Paulo e os integrantes da família Barata, pelo lado da Pacheco. Segundo fontes, o número de pessoas envolvidas torna complexo um eventual acordo.

A receita líquida da DPSP chegou a R$ 9,7 bilhões no ano passado (7% de alta), e o lucro líquido atingiu R$ 245 milhões (avanço de 13%).

Veja também: Farmácias Bemol crescem 127% com robotização BD Rowa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu