EnglishPortugueseSpanish

Manipulados para perda de peso são os mais procurados pela população

Mamipulados são muito adquiridos por quem busca emagrecer
Foto: shutterstock

Segundo estudos realizados pela Nielsen Holding, empresa especializada em pesquisa de consumo, 12% de toda a população brasileira utiliza medicamentos manipulados emagrecedores. O estudo mostra que o Brasil é o país que mais se utiliza desse recurso em toda a América Latina.

A plataforma 99fórmulas, que agiliza a cotação de receitas de manipulados, realizou uma pesquisa para avaliar quais são os princípios ativos mais recorrentes em prescrições médicas. O resultado mostrou que 8 dos 20 princípios ativos mais comuns têm como objetivo auxiliar na perda de peso.

Veja abaixo quais são eles:

Princípio Ativo Categoria
ORLISTATE EMAGRECIMENTO
BUPROPIONA ANTIDEPRESSIVO
TOPIRAMATO EMAGRECIMENTO
FAMOTIDINA EMAGRECIMENTO
CÁSCARA SAGRADA EMAGRECIMENTO
FLUOXETINA ANTIDEPRESSIVO
BIOTINA DERMATOLÓGICO
FUROSEMIDA DIURÉTICOS/LAXANTES
FASEOLAMINA EMAGRECIMENTO
CASSIOLAMINA EMAGRECIMENTO
ALOÍNA DIURÉTICOS/LAXANTES
ALFA BISABOLOL DERMATOLÓGICO
COENZIMA Q10 SUPLEMENTO
MOROSIL EMAGRECIMENTO
GARCÍNIA EMAGRECIMENTO
ZINCO QUELADO SUPLEMENTO
VITAMINA C SUPLEMENTO
PICOLINATO DE CROMO SUPLEMENTO
CICLOBENZAPRINA RELAXANTE MUSCULAR
UC II DOR ARTICULAÇÃO

Ao todo, foram analisadas mais de 3,5 mil receitas entre os meses de outubro de 2018 e fevereiro de 2019. Nesse processo, constatou-se que o público majoritário era feminino: 84%.

Ainda que a maioria dos princípios ativos que se destacaram na pesquisa de manipulados tenha o objetivo de auxiliar no emagrecimento, a Farmácia Elemento Base, por exemplo, tem outro foco. A farmacêutica proprietária Dayse José Luiz explica que a farmácia está mais voltada ao tratamento de problemas cardiológicos, ortopédicos, nutricionais e dermatológicos. “Preferimos abordar o tratamento para emagrecer com fitoterapia e suplementos nutricionais”, explica.

Assim como ela, os farmacêuticos e proprietários da Farmácia OfficiLab, Sérgio Giro e Cláudia Souza, contam que os manipulados com ativos mais vendidos na farmácia são os ortomoleculares e os medicamentos para longevidade e hipertrofia muscular. “Esperávamos que, com a liberação da comercialização de anorexígenos, fôssemos aumentar as vendas, mas isso não aconteceu”, comenta Giro.

Legislação sobre anorexígenos

O assunto vem gerando bastante discussão em âmbito legislativo. Em 2014, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) lançou a RDC 50, que trata da proibição da comercialização, prescrição e dispensação de medicamentos contendo os anorexígenos sibutramina, anfepramona, femproporex e mazindol por parte das farmácias de manipulação. Tal medida foi tomada com base na experiência que essas substâncias tiveram em pacientes nos Estados Unidos, o que fez com que fossem proibidas aqui no Brasil.

Entretanto, em 2017, foi publicada a Lei 13.454, que permite a produção, a comercialização e o consumo das já citadas substâncias, sob prescrição médica no modelo B2. O problema é que a produção citada na lei federal dá margem a duas interpretações: a primeira é que a produção esteja autorizada somente à indústria, e a segunda é que farmácias de manipulação também poderiam produzir.

Segundo o advogado especialista em Legislação Farmacêutica e consultor jurídico da Ascoferj, Gustavo Semblano, o assunto é bastante controverso. “Há quem diga que a produção utilizando os anorexígenos deva ser feita apenas pela indústria. Mas, como uma lei federal tem um nível de hierarquia maior que uma RDC, é possível interpretar que a liberação se estende também à manipulação”, explica.

Ainda assim, na concepção da Anvisa, a sibutramina é o único dos anorexígenos citados com permissão para ser comercializado no Brasil. Além dele, o orlistat, o cloridrato de lorcasserina e a liraglutida também estão autorizados.

Qualidade de vida dos pacientes é prioridade

A farmacêutica Dayse reforça a importância de explicar aos pacientes que chegam às farmácias de manipulação que a soberania da decisão de quais princípios ativos serão utilizados na fórmula do medicamento é do médico que os prescreveu.

Entretanto, ela fala também sobre a necessidade de se conversar com os pacientes. “Eu já vi uma mesma pessoa chegar com três receitas passadas por três especialistas diferentes. Temos que avisá-la dos efeitos que isso pode causar”, alerta a farmacêutica.

Outro ponto levantado por ela é que, algumas vezes, os medicamentos podem não ter o efeito esperado, e que a farmácia pode ser culpada por isso. “É preciso entender que, além de utilizar o medicamento, existem outros fatores que podem interferir no resultado do tratamento. Vai depender de paciente para paciente”, finaliza.

Veja também: Aprimorar atendimentos a idosos torna-se prioridade para farmácias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu