EnglishPortugueseSpanish

O que se aprende no curso técnico de Farmácia?

Técnico em Farmácia
Foto: Divulgação

No último dia 25 de junho, o programa É De Farmácia trouxe para a discussão o conteúdo que se aprende no curso Técnico em Farmácia. Para entender melhor sobre o assunto, a convidada foi a farmacêutica e coordenadora do curso no Senac/RJ, Glauce Desmarais.

Como funciona o curso técnico

As pessoas que procuram fazer o curso técnico de Farmácia do Senac se tornam técnicos habilitados em dispensação de medicamentos, manipulação de fitoterápicos, como cremes e géis, e aprendem a realizar o controle de estoque e de qualidade de todos os produtos.

Ao todo, a formação tem 1.200 horas, correspondentes a um ano e meio. Entre 2016 e 2019, foram formados cerca de 1.800 profissionais. Hoje, o Senac conta com 226 alunos nas turmas em execução.

Diferença entre curso técnico e graduação

Glauce explica que o grande diferencial é a possiblidade de aprender fazendo. “Desde o primeiro dia de aula, os alunos já desenvolvem as habilidades práticas por meio de estudos de caso, simulações e visitas técnicas, em que vivenciam situações reais do mercado de trabalho”, revela.

Já a graduação exige uma carga horária maior, podendo chegar a cinco anos de estudos. É preciso ter um domínio técnico-científico maior, pois mais conhecimento é adquirido. “Também existem atividades práticas, mas de uma forma diferenciada”, analisa a coordenadora.

O farmacêutico formado por uma graduação vai atuar como supervisor, enquanto o técnico vai realizar as atividades operacionais, auxiliando o profissional dentro das farmácias.

Além disso, os técnicos em Farmácia não são obrigados a terem registro nos dos Conselhos Regionais de Farmácia, diferentemente de quem se gradua nas universidades. E também, por não haver sindicato para a categoria, não existe um piso salarial que determine quanto esses profissionais devem receber. 

Áreas de atuação dos técnicos em Farmácia

Com o crescimento de 40% do número de farmácias e drogarias nos últimos cinco anos, a procura pelos cursos tem se mantido estável, mas com perspectiva de aumento para o futuro. “A gente sabe que o grande aproveitamento desses profissionais se dá no comércio varejista de produtos farmacêuticos e nas unidades de atendimento hospitalares, com um aproveitamento de 60% da classe”, revela Glauce.

Em dados divulgados no ano de 2017 pelo Ministério do Trabalho, eram aproximadamente 2.318 profissionais com vínculo empregatício no Brasil.

Debate acerca da responsabilidade técnica

Conforme noticiado pela Revista da Farmácia, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a repercussão do Recurso Extraordinário (RE) 1156197, que trata da possibilidade de os técnicos assumirem a responsabilidade técnica por drogarias.

Glauce acredita, entretanto, que as pessoas que optam por realizar o curso têm consciência das suas funções e limitações. “Um técnico em Farmácia jamais vai substituir um farmacêutico dentro das suas atribuições e na responsabilidade técnica”, diz.

Além disso, não é possível anular a importância desse profissional dentro dos mais diversos estabelecimentos. “Como falei antes, ele pode auxiliar de forma significativa dentro de drogarias, farmácias de manipulação, unidades de dispensação do SUS, farmácias hospitalares, indústrias de medicamentos e cosméticos”, explica a coordenadora.

Para assistir a entrevista completa, acesse o link.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Anuncie na Revista da Farmácia

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias no seu Whatsapp

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Smart Consulta Consultório Farmacêutico Inteligente - Seja um franqueado
Fechar Menu