EnglishPortugueseSpanish

Biogen lança guia de discussão sobre esclerose múltipla no Brasil

Esclerose múltipla
Foto: freepik

A Biogen Brasil, empresa de biotecnologia especializada em neurociência, acaba de lançar o “Guia de discussão sobre esclerose múltipla no Brasil – juntos para um novo futuro”, material educativo criado para trazer luz ao debate sobre as perspectivas sociais, clínicas e de acesso ao cuidado da esclerose múltipla (EM) no Brasil. O guia é resultado de uma construção colaborativa entre pacientes com a doença, profissionais da saúde, associações de pacientes, sociedades médicas e gestores de saúde.

O gerente geral da companhia, Christiano Silva, explica: “O objetivo do guia é discutir de forma estruturada e aprofundada quais são os possíveis caminhos para criar um futuro diferente para quem tem esclerose múltipla no Brasil, incluindo um novo olhar para o cuidado dessas pessoas. Acreditamos que compartilhar conhecimento e informação sobre a doença é um fator-chave para o futuro melhor de toda a comunidade”.

Abordagem do guia

O material traz informações detalhadas e atuais sobre a esclerose múltipla, uma doença crônica, autoimune e progressiva. Uma delas é que a prevalência no Brasil é de 15 casos para cada 100 mil habitantes, e que as mulheres são as mais afetadas (70%).

“Devido aos sintomas diversos, muitas vezes, a esclerose múltipla é confundida com outras condições. Os primeiros indícios da EM podem aparecer antes dos 18 anos, mas, infelizmente, os diagnósticos costumam ser fechados por volta dos 32 anos de idade. É preciso, cada vez mais, elevar a conscientização sobre a doença: o diagnóstico precoce é essencial para controlar os sintomas e reduzir a progressão da doença, e isso pode mudar vidas”, revela Marcelo Gomes, diretor médico da Biogen.

Gomes reforça que é preciso ter um olhar individualizado para cada paciente e ter o apoio de uma equipe multidisciplinar, complementando o tratamento medicamentoso.

Outros dados

Outro dado apresentado no guia sobre EM foi que, para realizar ressonância magnética, o exame capaz de analisar minuciosamente o cérebro e ajuda no diagnóstico da doença, pacientes precisam, em média, se deslocar mais de 40 quilômetros. Na região Norte, onde há uma carência maior de equipamentos, a distância pode chegar a 160 quilômetros.

Além disso, quase 35% dos pacientes do SUS demoram mais de um mês para iniciar o tratamento. “Existem inúmeros desafios que vão além das questões clínicas, que precisam ser debatidos e de atenção. A doença costuma surgir em adultos jovens, em plena capacidade produtiva. Isso afeta não só a qualidade de vida do indivíduo, mas impacta social e economicamente. Precisamos ampliar esse olhar”, afirma Christiano.

O material pode ser baixado no site oficial.

Veja também: ACG Brasil bate recorde de produção nacional de cápsulas em agosto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu