EnglishPortugueseSpanish

Medicamentos Doralflex e Neodoraflex têm registros invalidados por semelhança ao Dorflex

Doralflex e Dorflex
Foto: Portal Migalhas

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), na última terça-feira (19/05), decidiu pela manutenção da decisão proferida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, mantendo a invalidação dos registros dos medicamentos Doralflex e Neodoraflex, pois podem confundir o consumidor pela semelhança com a marca já registrada Dorflex, de outro fabricante.

Entenda o caso

A Sanofi, fabricante do Dorflex entrou com um processo contra o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e contra a Pharmascience (Doralflex e Neodoralflex) por causa do registro dos nomes de seus medicamentos. O caso teve início em 2013 e foi julgado pela primeira vez em agosto de 2016 pela 9ª Vara Federal do Rio de Janeiro, contra a qual foram apresentados recursos, julgados pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

A Pharmascience, por sua vez, deu entrada em um recurso especial para tentar novamente conseguir o registro, que foi rejeitado. Recorreu com o recurso de agravo em recurso especial, que foi negado pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em agosto de 2019.

Como foi a votação

Insatisfeita com a negativa, a Pharmascience recorreu novamente e a 3ª Turma do STJ, por maioria de votos, entendeu que a confusão entre as marcas está ligada à patente e, seguindo o entendimento da relatora, ministra Nancy Andrighi, afirmou que o correto seria a manutenção da decisão proferida anteriormente pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, com a nulidade dos registros dos medicamentos.

Em seu voto, a relatora disse que permanecer com os nomes seria imprudente pois possuem a mesma finalidade –  os três são analgésicos – e o registro do Dorflex foi solicitado 40 anos antes dos outros dois. Além disso, o fármaco mais antigo já possui bastante notoriedade no mercado, e todos seriam comercializados nos mesmos canais de venda, o que indica a competição direta.

O consultor jurídico da Ascoferj e advogado especializado em Legislação Farmacêutica e Sanitária, Gustavo Semblano, comenta o assunto: “Por ter havido uma divergência entre os ministros votantes e ainda haver prazo, cabe novo recurso da Pharmascience, e isso poderá ser feito em uma seção no próprio STJ ou a interposição do Recurso Extraordinário ao Supremo Tribunal Federal (STF)”.

Lei da patente

A patente citada pela ministra Nancy Andrighi no julgamento está relacionada à Lei Federal nº 9.279/1996, também conhecida como Lei da Propriedade Industrial (LPI). Tal lei garante ao inventor do produto o direito de obter a patente que lhe assegure a propriedade de sua invenção por um período determinado.

Veja também: Abradilan revela que genéricos representam 44% do volume de unidades vendidas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu