EnglishPortugueseSpanish

Sandoz firma acordo para comercializar biossimilares de insulina

Foto: Louis Reed/Unsplash
Foto: Louis Reed/Unsplash

A Sandoz, uma divisão da Novartis e uma das líderes globais em genéricos e biossimilares, firmou um acordo com a chinesa Gan & Lee para comercializar versões biossimilares de insulinas para pacientes com diabetes tipo 1 e tipo 2. Os medicamentos estão atualmente em estágios iniciais e clínicos de desenvolvimento.

O acordo tem como objetivo trazer para o mercado versões biossimilares de glargina, lispro e asparte, três dos principais análogos de insulina. A Gan & Lee é um dos principais fornecedores de insulina, com sede na China e mais de 20 anos de experiência. O contrato prevê que a Sandoz será totalmente responsável pela comercialização desses medicamentos na União Europeia, Estados Unidos, Suíça, Japão, Coreia do Sul, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. Já a Gan & Lee será responsável pela fabricação e desenvolvimento, devendo seguir os rigorosos procedimentos de fabricação da Sandoz. Outros termos específicos do acordo são confidenciais.

Estima-se que, apenas em 2015, o diabetes tenha onerado a saúde global em US$ 673 bilhões – aproximadamente 12% dos gastos totais com saúde no mundo, ou seja, a preocupação com o acesso à insulina tem crescido. A FDA declarou, em dezembro de 2018, que “o acesso à insulina é literalmente uma questão de vida e morte para (alguns) americanos”.

Com o acordo, além de expandir o portfólio de endocrinologia a longo prazo, a Sandoz segue a estratégia de ampliar os negócios em biossimilares. O contrato também se baseia na expertise científica e comercial da companhia, que já teve oito biossimilares aprovados no mundo.

O diabetes surge quando o pâncreas não produz insulina (hormônio que regula o açúcar no sangue) em quantidade suficiente. Calcula-se que mais de 400 milhões de adultos em todo o mundo estejam vivendo com diabetes, e esse número deverá aumentar. Entre as complicações que a doença acarreta estão cegueira, insuficiência renal e doença cardiovascular.

“Em todo o mundo, as pessoas que sofrem de diabetes ainda enfrentam desafios de acesso muito reais. De fato, pacientes norte-americanos relataram tomar menos insulina do que o recomendado pelo médico porque não podem pagar, o que os coloca em maior risco de complicações graves”, diz Richard Francis, CEO da Sandoz Global. “Na Sandoz, temos uma experiência significativa em transformar os mercados e esperamos expandir o acesso para os mais de 420 milhões de pessoas em todo o mundo que vivem com diabetes”.

Para Stefan Hendriks, chefe global de biofármacos da Sandoz, a doença deve ser tratada como prioridade global. “Com a maior parte da terapia de insulina sendo oferecida por apenas algumas empresas, os sistemas de saúde e o suprimento de insulina estão sob crescente pressão para atender às crescentes demandas”, analisa. “Como pioneira e líder global em biossimilares, a Sandoz se orgulha de expandir o portfólio de endocrinologia em insulinas, ajudando no acesso das pessoas com diabetes aos medicamentos de que necessitam”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu