EnglishPortugueseSpanish

RJ: PL que obrigaria farmácias a terem enfermeiro para vacinar será arquivado

A Comissão de Constituição e Justiça emitiu parecer, publicado no Diário Oficial de hoje, sobre o PL 3.888/2018, afirmando se tratar de um projeto inconstitucional.
PL que obrigava farmácia a ter enfermeiro será arquivado
PL que obrigava farmácia a ter enfermeiro será arquivado | Foto: Shutterstock

O PL 3.888/2018, da deputada estadual Enfermeira Rejane, que tramitava na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), será arquivado. Se aprovado, poderia abrir precedentes para outros estados brasileiros, onerando ainda mais o varejo farmacêutico. Para quem não se lembra, esse é o PL que obrigaria farmácias a terem enfermeiro para o serviço de vacinação. No entanto, a Comissão de Constituição e Justiça emitiu parecer, publicado no Diário Oficial de hoje, sobre o PL 3.888/2018, afirmando se tratar de um projeto inconstitucional.

Leia também: PL do enfermeiro em farmácia será arquivado

A vitória é fruto de articulação política da Associação do Comércio Farmacêutico do Estado do Rio de Janeiro (Ascoferj). A intervenção da Ascoferj, por meio de sua assessoria parlamentar, e do próprio relator, o deputado Jorge Felippe Neto, foi primordial para fazer com que todos os demais membros da Comissão concordassem com o parecer de inconstitucionalidade. Se somente um deputado desse voto contrário ao parecer, o PL seguiria tramitando pelas demais comissões.

Assunto é para ser tratado na esfera federal

De acordo com o parecer do relator, a proposta trata de exercício profissional, o que é de competência federal. Portanto, a Alerj não poderia legislar sobre o tema. Além disso, farmácias e drogarias são reguladas por duas leis federais: 5.991/1973 e 13.021/2014. E o Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio da Resolução 357/2001, atribui ao farmacêutico à função de aplicar injetáveis.

Leia também: Deputado Glaustin Fokus reapresenta PL que autoriza MIP em supermercados

Para o presidente da Ascoferj, Luis Carlos Marins, mesmo que seja uma vitória estadual, todo o setor ganha com o parecer de inconstitucionalidade, pois esse PL poderia abrir prerrogativas em outros estados.

“Os farmacêuticos têm permissão legal para vacinar e são habilitados para isso nos diversos cursos que já se espalham pelo Brasil, um deles, inclusive, promovido na Ascoferj em parceria com o ICTQ. Por isso, não se justifica a contratação de um enfermeiro, com todo respeito que temos a esses profissionais, que, muitas vezes, atuam em conjunto com o nosso segmento de forma multiprofissional”, comentou Marins.

Acesse aqui o parecer publicado no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro

Fonte: Ascoferj

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu