EnglishPortugueseSpanish

Impostos encarecem medicamentos e dificultam acesso da população

Altos impostos prejudicam acesso de população aos medicamentos
Foto: freepik

Segundo um estudo publicado, em 2019, no Journal of Management & Primary Health Care, no Brasil, em 516 dos 5.570 municípios brasileiros, o câncer já é a principal causa de morte. “A construção de políticas públicas no Sistema Único de Saúde (SUS) são por vezes insuficientes e fazem com que a sociedade civil procure o Direito a Saúde através da judicialização”, diz o estudo de Carla Mazzuco e Samara Jamile Mendes.

Nas farmácias e drogarias, o preço de um medicamento oncológico pode variar de R$ 80 a R$ 54 mil, dificultando o acesso por milhares de brasileiros. Aqueles que não conseguem obter o medicamento pelo SUS ficam excluídos e sem possibilidades de tratar a doença.

No entanto, esse cenário poderia mudar se a carga tributária que incide sobre os medicamentos no País fosse revista. Não apenas os oncológicos, mas medicamentos em geral têm carga elevada, o que impacta diretamente no preço final e no acesso por parte da população.

Um dos impostos que mais pesam é o ICMS, que, no Estado do Rio de Janeiro, chega a 20%, já incluídos os 2% destinados ao Fundo de Promoção Social e Erradicação da Pobreza. É com o objetivo de reduzir essa alíquota que tramita, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), o Projeto de Lei nº 2.852/2020, propondo equiparar o valor do ICMS do Estado à alíquota praticada em São Paulo: 12%. A equiparação seria válida para medicamentos genéricos e similares. Além disso, o PL também pede a isenção do imposto para medicamentos utilizados no tratamento do câncer.

Menores preços para população

Para Jiovanni Coelho, CEO da SimTax, equiparar a alíquota do Rio de Janeiro à de São Paulo traz muitos benefícios à população: “Um medicamento com Preço Máximo ao Consumidor (PMC) de R$ 100 passaria a custar R$ R$ 90,91 se a alíquota do ICMS fosse reduzida de 20% para 12%, uma diminuição efetiva de 9,09% no preço final”, explica Coelho.

O consultor jurídico da ABCFARMA, Rafael Espinhel, concorda. Segundo ele, o acesso aos medicamentos e, consequentemente, a um tratamento de qualidade acaba sendo limitado pelos altos preços impactados pela tributação, especialmente pelo ICMS.

“Sob o ponto de vista social, o PL é de extrema importância, pois assegura o direito constitucional de acesso à saúde aos cidadãos do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente, segundo estudos, aproximadamente 50% das pessoas abandonam os tratamentos médicos depois de um período de seis meses, sendo um dos principais fatores o custo do medicamento”, pontua o advogado.

Além dos benefícios à população, a redução da alíquota de ICMS para alguns medicamentos e a isenção para os oncológicos também impactaria positivamente no faturamento das farmácias, pois mais pessoas conseguiriam comprar os produtos de que necessitam, atraindo mais investimentos também para a indústria farmacêutica.

Benefícios para o governo

Rafael Espinhel acredita que a mudança será benéfica também para o governo estadual. Ele cita como exemplo a redução de 18% para 12% no ICMS do Estado do Paraná, em 2009: “Mesmo com a mudança na alíquota, a arrecadação desse imposto com medicamentos subiu mais no Paraná do que nos oito principais estados que mantiveram as suas alíquotas, crescendo 115% em relação a 2008. Nos demais estados, a arrecadação aumentou apenas 9%, ou seja, apesar da redução na alíquota do ICMS, não houve perda arrecadatória para o Estado”, relembra o consultor jurídico.

Espinhel cita ainda os reflexos positivos no SUS: “Quando há adesão ao tratamento e uso correto dos medicamentos, o Estado economiza em despesas com saúde, em especial com internações, exames e consultas”, acrescenta ele.

Tramitação do PL

Atualmente, o PL está parado na primeira etapa de tramitação – a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) – e aguarda parecer do relator Rodrigo Bacelar para que seja votado nessa comissão. Eduardo Britto, analista político da Arko Advice, explica que, depois disso, o PL pode tramitar sozinho ou em conjunto com outros que tratem de temas parecidos.

“Independentemente de ele tramitar em conjunto ou sozinho, há um requerimento de urgência já aprovado e deferido por ter sido apresentado durante o período da pandemia. Isso significa que ele pode pular a etapa das comissões e ir diretamente ao Plenário. Contudo, o procedimento que está vigorando na casa, na maioria dos casos, é que o projeto seja primeiramente apreciado na CCJ e, somente a partir dessa votação, seguir para o Plenário”, informa Britto.

Para o analista político, a discussão do PL encontra um ambiente propício para avançar no parlamento, já que a Alerj, ao longo da pandemia, passou por um longo e extenso processo de debate sobre benefícios fiscais e questões tributárias no sentido de gerar mais competitividade ao Estado do Rio de Janeiro.

Detalhes sobre o Projeto

O PL foi protocolado em julho, na Alerj, pelo deputado Rosenverg Reis (MDB-RJ). Contudo, a redação do projeto foi iniciada em novembro de 2019, quando, por iniciativa da Ascoferj, o presidente da instituição, Luis Carlos Marins, apresentou ao deputado um documento que detalhava a necessidade de uma revisão tributária no estado.

“Atualmente, o Rio de Janeiro chega a pagar uma alíquota de ICMS sobre medicamentos em torno de 18% a 20%. A elevada carga tributária prejudica o negócio e impacta o acesso da população ao medicamento. Esse PL é importante para todo o setor farma, principalmente para consumidores”, defende Marins.

Panorama geral do RJ

Jiovanni Coelho, contudo, acredita que a situação tributária do Rio de Janeiro é bastante complicada e envolve aspectos que vão além da alta alíquota do ICMS: “O modelo de cálculo ainda é um problema para todos. Você imaginaria que uma distribuidora de medicamentos, vendendo um medicamento pelos mesmos preço e desconto, teria uma tributação igual a de outras, certo? Mas a resposta é não”, pondera o especialista.

Ele explica que o Estado, apesar de possuir uma regra geral de cálculo tributário de medicamentos, permite várias outras regras que diferenciam as empresas e tornam todo o processo mais difícil. Alguns exemplos disso são as que conseguem entrar na Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin) e, lá dentro, podem utilizar ou não a Margem de Valor Agregada (MVA). Além disso, existem empresas que fazem parte do Programa de Fomento ao Comércio Atacadista e Central de Distribuição do Estado do Rio de Janeiro (Riolog).

Veja também: Prefeitura do Rio de Janeiro cria IVISA-RIO

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Notícias Canal Farma

Receba notícias, conteúdos e vídeos do YouTube sobre o setor farmacêutico com nosso canal no Telegram.

Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu