EnglishPortugueseSpanish

Autorização Especial (AE) tácita ou presumida: você sabe o que é?

Desde 11 de abril de 2019, já se pode falar na Autorização Especial (AE) tácita ou presumida, que é aquela oriunda da ausência de manifestação da Anvisa sobre o pleito de sua concessão após o hiato temporal de 30 dias corridos.
Autorizçação Especial para Farmácias
Imagem: Shutterstock

No ano de 1998, quando sequer se cogitava no Brasil existir uma agência reguladora na área de vigilância sanitária, o Ministério da Saúde possuía um importante órgão que cumpria missão próxima: a então Secretaria de Vigilância Sanitária (SVS).

Entre as mais variadas normas por ela criadas, encontra-se a mais conhecida: a famosa portaria SVS/MS nº 344, de 12 de maio de 1998, que aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Essa norma define, em seu artigo 1º, a Autorização Especial (AE) como sendo “licença concedida pela Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (SVS/MS) a empresas, instituições e órgãos, para o exercício de atividades de extração, produção, transformação, fabricação, fracionamento, manipulação, embalagem, distribuição, transporte, reembalagem, importação e exportação das substâncias constantes das listas anexas a este Regulamento Técnico, bem como os medicamentos que as contenham.”

Leia também: Farmacêutico da matriz pode ou não ser responsável técnico de filial?

Já o parágrafo 4º do artigo 2º da Portaria SVS/MS nº 344/98 diz que a extração, produção, fabricação, beneficiamento, distribuição, transporte, preparação, manipulação, fracionamento, importação, exportação, transformação, embalagem e reembalagem, para qualquer finalidade, das substâncias constantes das listas do seu Anexo I – que é o Regulamento Técnico propriamente dito – somente podem ter início após a publicação da Autorização Especial (AE) no Diário Oficial da União. Não há como negar que a Portaria SVS/MS nº 344/98 é anacrônica, vetusta e necessitava de uma modernização.

Em parte, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), criada em 1999, o fez com a publicação, no Diário Oficial da União de 10 de abril de 2019, da Resolução RDC nº 275/19, que trouxe uma parecida, mas nova definição da Autorização Especial (AE) como sendo o “ato de competência privativa da Anvisa, que autoriza  farmácia de manipulação a desenvolver atividades relativas à manipulação de substâncias sujeitas a controle especial constantes nas listas anexas à Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998, da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde ou de outro ato normativo que venha a substituí-la, mediante a solicitação de autorização para o exercício de suas atividades, do pagamento da respectiva Taxa de Fiscalização de Vigilância Sanitária e de outros requisitos definidos em regulamentação específica da Anvisa”, conforme art.1º, inciso II.

Seguindo os parâmetros da Portaria SVS/MS nº 344/98, a nova Resolução RDC nº 275/19 manteve – em regra – a prévia necessidade da publicação no Diário Oficial da União do ato de concessão da Autorização de Funcionamento (art.4º). No entanto, trouxe uma excelente novidade para o setor regulado: a Autorização Especial (AE) tácita ou presumida, como se vê do parágrafo 1º de seu artigo 5º:

Art. 5º A Anvisa terá prazo de 30 (trinta) dias corridos, contado a partir da data do recebimento, para apreciação da petição de concessão de Autorização de Funcionamento (AFE) e Autorização Especial (AE) de farmácias e drogarias.

§ 1º A ausência de manifestação da Anvisa no prazo previsto no caput, implicará na concessão automática da Autorização de Funcionamento (AFE) e da Autorização Especial (AE);

§ 2º A concessão automática da Autorização de Funcionamento (AFE) ou de Autorização Especial (AE) não impede a Anvisa de proceder à análise do pedido a qualquer momento e, caso seja comprovado que o estabelecimento não cumpre a regulamentação sanitária, proceder ao cancelamento das referidas autorizações.

Assim, desde o dia 11 de abril de 2019, já se pode falar na Autorização Especial (AE) tácita ou presumida, que é aquela oriunda da ausência de manifestação da Anvisa sobre o pleito de sua concessão após o hiato temporal de 30 dias corridos.

É claro que essa Autorização Especial (AE) tácita ou presumida pode ser cancelada, caso reste comprovado que o estabelecimento farmacêutico não cumpre a regulamentação sanitária (art.5º, § 2º, Resolução RDC nº 275/19, sem prejuízo de apuração de eventual crime de falsidade ideológica (art.299, Código Penal) e infração sanitária (Lei Federal nº 6.437/77).

Assista ainda: 5 situações que motivam processos contra a farmácia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Anuncie na Revista da Farmácia

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias no seu Whatsapp

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Smart Consulta Consultório Farmacêutico Inteligente - Seja um franqueado
Fechar Menu