EnglishPortugueseSpanish

Reações adversas na saúde pública

O enorme descompasso entre o Legislativo e a Anvisa causa mal-estar entre os prescritores e o varejo farmacêutico.
shutterstock_797743126-1

A Organização Mundial da Saúde (OMS) inclui, na definição de saúde, o bem-estar social entre os indivíduos. Mas, no Brasil, o enorme descompasso entre o Legislativo e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) causa mal-estar entre os prescritores e o varejo farmacêutico.

A Câmara dos Deputados e o Senado legislam sobre assuntos referentes à saúde da população, e a Anvisa é o órgão regulador responsável por fiscalizar produtos e serviços, nacionais ou importados, assegurando que atendam às normas sanitárias estabelecidas pelo Ministério da Saúde.

Teoricamente, Legislativo e Anvisa deveriam convergir para o mesmo objetivo, mas, na prática, existe um enorme descompasso, dificultando ou até mesmo inviabilizando a execução de leis aprovadas, como, por exemplo, a Lei  nº 13.454, que autoriza a produção, a comercialização e o consumo, sob prescrição médica, dos anorexígenos sibutramina, anfepramona, femproporex e mazindol. Essa lei está sem normatização por parte da agência reguladora desde 2017.

De um lado, estão as entidades médicas favoráveis, prescrevendo essas substâncias para os pacientes que estão em tratamento e controle da redução de peso; do outro, a Anvisadizendo que o registro de medicamentos que contenham essas substâncias somente poderá ser concedido mediante a apresentação de dados que comprovem a eficácia e segurança, de acordo com as normas sanitárias vigentes. Ou seja, não há uma previsão para que esses medicamentos voltem a ser comercializados, pois, para cumprir todas as etapas para registro, são necessários tempo e alto investimento financeiro.

Já existem vários estudos sobre esses medicamentos, que já foram autorizados, comercializados, suspendidos, proibidos e atualmente autorizados novamente. O grande X da questão é entender: pode ou não pode? Até quando vai se prolongar esse retrocesso?

Essas interrogações geradas pelos responsáveis em zelar pela saúde pública estão potencializando os riscos à saúde da população, seja pelos óbitos causados pelas complicações oriundas da obesidade sem tratamento, seja pela falta de orientação sobre o uso correto do inibidor de apetite amplamente vendido no câmbio negro.

Enfim, mais importante do que reduzir o apetite é minimizar os impactos causados pela burocracia regulatória e os conflitos de interesse, que impedem o incentivo do uso racional de medicamentos e o desenvolvimento e a consolidação das políticas de saúde públicas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu