EnglishPortugueseSpanish

Close-up publica estudo sobre mercado farmacêutico durante pandemia

A Close-up International publicou um estudo sobre a performance do mercado farmacêutico brasileiro durante a pandemia da Covid-19.
Close-up faz estudo sobre mercado farmacêutico durante pandemia
Foto: freepik

A Close-up International, empresa que audita o setor farmacêutico, acaba de publicar um estudo sobre o mercado brasileiro durante o período de isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus, iniciado na segunda semana de março de 2020.

Mercado antes e depois do isolamento social

Quando surgiram as primeiras informações sobre a chegada do novo coronavírus ao Brasil, no início de março, as vendas no varejo farma dispararam – na primeira semana do mês, foram 132,2 milhões de unidades vendidas, 29,2 milhões a mais do que na última semana do mês de fevereiro.

Mas, após o início da quarentena, as unidades vendidas chegaram a um total de 191,9 milhões, o que representa o grande pico para o mercado farmacêutico e a preocupação das pessoas com a pandemia que começava a ganhar forma.

Já no mês de abril, houve um efeito rebote, pois a população passou a comprar menos. Na primeira semana de abril, foram vendidas 116,2 milhões de unidades. Na última, o total foi de 100,5 milhões. A primeira semana de maio revela uma tendência ao equilíbrio, pois foram comercializadas 117,9 milhões de unidades.

Categorias de produtos

Em relação às categorias – medicamentos com prescrição (MPX), medicamentos isentos de prescrição (MIPs) e não medicamentos (NMEDs) –, também é possível perceber a grande demanda no mês de março e a queda nos meses seguintes.

Os MPX, por exemplo, na terceira semana de março, chegaram a um crescimento de 44,9%, quando na primeira semana foi de 9,8%. Ao compararmos com a última semana de abril, podemos ver que houve uma queda de 14,7%, deixando evidente a diferença de vendas. Na primeira semana de maio, as vendas voltaram a ficar positivas, com um crescimento de 2,7%.

Os MIPs foram os produtos que mais cresceram durante o mês de março e os que menos caíram em abril. No terceiro mês do ano, alcançou o pico de crescimento de 180,6% e, no quarto, chegou a uma queda de 7,9%. Contudo, na primeira semana de maio, voltou a aumentar 14,5%.

Por fim, os NMEDs tiveram o efeito mais negativo durante a pandemia. Em março, alcançaram o pico de 23,9% de crescimento, enquanto em abril registraram uma queda de 17%. E a queda parece não parar: na primeira semana de maio, continuou em 9,8%.

Bandeiras de farmácias

As farmácias independentes e associativistas foram as que tiveram um melhor desempenho durante o período de isolamento social, enquanto as redes corporativas apresentaram quedas após um tempo.

As independentes alcançaram, em março, o pico de 83,9% das vendas. Em abril, tiveram seu pior momento, chegando a uma queda de 12,1%, enquanto na primeira semana de maio voltaram a crescer, chegando a alcançar 17% das vendas.

As associativistas também venderam bem em março, tendo um pico de 82,3%, mas, em abril, tiveram uma queda de 13,2%, e, na primeira semana de maio, de 3,9%.

Já as redes corporativas registraram um pico de 45,8% nas vendas de março, enquanto em abril tiveram uma queda de 16,3% e, na primeira semana de maio, a queda foi de 8,5%.

Veja o resultado da pesquisa na íntegra.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu