Governo institui novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda

Desta vez, haverá concessão de um Benefício Emergencial quando houver redução de jornada de trabalhos e horários ou suspensão do contrato de trabalho. As determinações da Medida Provisória são válidas por 120 dias.
Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda
Foto: freepik

Foi publicada, na última terça-feira (27), a Medida Provisória nº 1.045, que instituiu o novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. Similar à MP nº 936/2020 que vigorou durante o ano passado, o novo Programa é válido pelos próximos 120 dias e será operacionalizado pelo Ministério da Economia.

O pagamento mensal do Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, com recursos da União, vai ocorrer quando houver redução proporcional da jornada de trabalhos e horários ou a suspensão temporária do contrato.

Informações sobre o Benefício

O empregador deverá informar ao Ministério da Economia qual das duas opções acordou com seus colaboradores em um prazo de dez dias, contados a partir da celebração do acordo. Caso esse prazo seja perdido, é responsabilidade da empresa efetuar o pagamento do benefício. Nas duas situações, a primeira parcela do pagamento deverá ser paga em 30 dias.

A comunicação referente ao benefício emergencial pode ser realizada exclusivamente por meio digital, mediante ciência do interessado, cadastramento em sistema próprio e utilização de certificado digital ICP-Brasil ou de login e senha estabelecidos pelo Ministério da Economia.

Valores

O valor do benefício terá como base o valor da parcela do seguro-desemprego a que o empregado teria direito. Na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário, será calculado com a aplicação do percentual da redução sobre a base do cálculo.

Quando houver a suspensão temporária do contrato de trabalho, o valor mensal poderá ser equivalente a 70% ou 100% do valor do seguro-desemprego.

Redução de jornada e de salário

Caso a decisão do empregador seja reduzir a jornada de trabalho e de salário dos funcionários, isso poderá ser feito por meio de acordos coletivos ou individuais. Na segunda opção, é preciso avisar ao interessado com o mínimo de dois dias de antecedência se a redução será de 25%, 50% ou 70%.

Os funcionários que receberem o benefício em decorrência desta modalidade de acordo têm a garantia provisória no emprego durante o período acordado e, após o restabelecimento da jornada, por período equivalente ao acordado.

Suspensão de contrato

Se a empresa optar pela suspensão temporária de contrato, terá a possibilidade de fazê-lo também por meio de convenção coletiva de trabalho, acordo coletivo ou acordo individual. No período em que o colaborador estiver afastado, ele continuará ganhando todos os benefícios aos quais tem direito.

Durante esse período, caso o empregado mantenha as atividades de trabalho, mesmo que parcialmente por meio de teletrabalho, a suspensão de contrato fica descaracterizada e a empresa deve pagar imediatamente a remuneração e os encargos sociais, além de sanções.

Veja também: STF declara normas da Lei Kandir sobre ICMS inconstitucionais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias Canal Farma

Receba notícias, conteúdos e vídeos do YouTube sobre o setor farmacêutico com nosso canal no Telegram.

Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

loading...

Receba as principais notícias direto no celular

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia