EnglishPortugueseSpanish

Profarma realiza webinar sobre influência da covid-19 na gestão de categorias

Em webinar, a distribuidora Profarma conversa com representantes de outras empresas sobre como a covid-19 influenciará na gestão de categorias dentro das farmácias.
Gestão de categorias
Foto: Humberto Teski

A distribuidora Profarma realizou, na tarde desta quinta-feira (7/5), um webinar para falar sobre como a gestão de categorias será impactada pela pandemia da covid-19. Estiveram presentes Adriano Prado, VP de Distribuição da Profarma; Ana Vidal, gerente de Categoria da Profarma; Shelida Barsella, diretora Trade Marketing CH da Hypera; Rodrigo Kurata, diretor Pharma/Rx & Consumer Health da IQVIA; e Maria Fernanda Poblacion, head Trade Marketing de Nutrição Infantil da Nestlé.

Panorama geral da situação

Segundo a IQVIA, o Brasil ainda está em uma curva ascendente de número de casos de infectados e óbitos, enquanto a curva de interação entre médicos e pacientes vem diminuindo. Isso mostra a importância do uso da tecnologia e de outros setores da saúde. Por isso, as farmácias e drogarias estão ganhando cada vez mais espaço neste período de combate à pandemia.

“A farmácia começa a expandir seu papel perante a população brasileira, passando a ser a porta de entrada para o setor de saúde. Sua importância vem sendo cada vez mais explorada, principalmente nesses dois últimos meses em que houve desburocratização de serviços, como os testes rápidos e a campanha de vacinação. Acredito que, após a covid-19, haverá uma grande mudança no papel das farmácias, não apenas numérico como também qualitativo”, afirma Rodrigo Kurata.

Em relação à pandemia, o grande pico de demanda para esses estabelecimentos começou na terceira semana de março, e algumas categorias se estabilizaram no mês de abril. “Categorias como produtos de prescrição médica cresceram 10%, mas os MIPs são destaque, crescendo 20%, o que pode ter acontecido por conta da diminuição de interação com médicos e por serem vistos como prevenção. Itens de higiene e beleza já estão mais estabilizados”, afirma o diretor da IQVIA.

Categoria de MIPs

Shelida Barsella acredita que as pessoas estão buscando muito mais o autocuidado e a prevenção, e a farmácia, como ponto básico de saúde, acaba sendo considerada como a primeira opção de cuidado.

“Em um primeiro momento nessa crise, os antigripais cresceram. As vitaminas C e D, relacionadas à imunidade, também foram muito procuradas, assim como os analgésicos, por conta da preocupação que todos estão sentindo. Esse é um comportamento que vai permanecer no mundo pós-covid-19. Além disso, o serviço farmacêutico tem se tornado fundamental para as pessoas”, afirma a diretora da Hypera.

Categoria de alimentos e nutrição

Maria Fernanda Poblacion acredita que a categoria de alimentos terá um crescimento muito relevante por conta do canal farma: “As pessoas preferem ir às farmácias e drogarias por conta do acolhimento e da proximidade com o farmacêutico. Cerca de 70% do consumo dos nossos produtos vêm das farmácias”.

Entre as categorias mais buscadas nas farmácias estão a de nutrição infantil e a de suplementos. No acumulado de janeiro a abril de 2020, em todo o Brasil, a primeira cresceu 20% e a segunda, cerca de 40%.

Gestão de categoria e distribuição

Ana Vidal explica que, antes da pandemia, o Brasil estava iniciando a sua caminhada no aspecto da prevenção e dos cuidados que levam ao bem-estar: “Com a covid-19, esse comportamento foi acelerado. As farmácias, que são a fonte direta desses produtos, precisam pensar em como organizar esses itens nas gôndolas. É necessário saber exatamente como as pessoas vão ter acesso a eles”.

Adriano Prado relembra a importância da distribuição na relação entre os fornecedores, as farmácias e, consequentemente, os clientes: “Nosso papel é ser fonte de informação de como fazer um trade melhor, de como ter uma gestão de categorias melhor. E também garantir o abastecimento das farmácias”.

Farmácias independentes

O VP da Profarma revela que, neste período, percebeu uma mudança no seu mix de venda por conta da maior procura por farmácias independentes, aumentando o desafio de conseguir abastecer todas as lojas: “Nossos clientes também precisam estar atentos às mudanças de consumo, porque as pessoas que estavam acostumadas a comprar em lojas de redes em centros urbanos agora têm as mesmas necessidades, mas buscam as farmácias independentes”, afirma.

Todos os participantes acreditam que, mesmo após o pico da pandemia e a gradual volta à vida normal, os estabelecimentos independentes continuarão em evidência.

Tempo de compra e autosserviço

Shelida acredita que o autosserviço deverá ser repensado após a covid-19: “Mesmo que possamos sair nas ruas, diversos cuidados precisarão continuar a acontecer, o que impacta diretamente no tempo em que o cliente permanece dentro da loja”.

Kurata detalha mais a informação: “No acumulado do ano até abril, o OTC representa 45% do faturamento. Ainda que haja variações em cada região do País, de forma geral, esse tipo de produto costuma ser muito buscado. Ele precisa sair de trás do balcão, facilitando o seu consumo e atendendo às necessidades do cliente de forma mais eficiente e ágil”.

Veja também: Isolamento impacta em hábitos de compra e consumo do brasileiro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu