EnglishPortugueseSpanish

Saiba como notificar problemas em testes rápidos de covid-19

A Anvisa publicou um texto informando quais são as principais formas de notificar problemas nos testes rápidos que detectam a covid-19.
Saiba como notificar problemas nos testes rápidos de covid-19
Foto: Nair Bueno/Futura Press/Estadão Conteúdo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Ascoferj) publicou, na última sexta-feira (8/5), uma nota informando como deve ocorrer a notificação dos problemas identificados durante o uso dos testes para covid-19.

A prática é essencial, pois as informações recebidas formam um banco de dados que auxilia no planejamento e na execução de ações de inspeção, fiscalização e coleta de amostras para análises. Na nota, a Agência afirma que “o objetivo é manter o monitoramento contínuo dos produtos, visando a garantia da sua qualidade, segurança e eficácia”.

Confira os tipos de condições e links para cada relato:

– Produtos com registro RDC 36/2015 e RDC 348/2020: Queixa técnica / Evento adverso

– Produtos sem registro RDC 356 e 379/2020: Queixa técnica e evento adverso

Denúncia: práticas comerciais fraudulentas, importação ou distribuição irregular

Orientações oficiais

A Anvisa tem uma área exclusiva no site com orientações e canais para o registro de notificações de queixas técnicas dos produtos para a saúde. As informações devem ser inseridas no Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária (Notivisa).

Registro

A relação dos produtos regularizados para a detecção do novo coronavírus é atualizada diariamente e pode ser consultada no portal da Agência. A análise dos produtos segue as regras da RDC 348/2020, publicada em 18 de março, e que estabeleceu normas extraordinárias e temporárias para agilizar a avaliação dos pedidos de registro.

Os registros concedidos nas condições do artigo 12 dessa RDC têm validade de um ano. Já aqueles com base no artigo 11 e os que atendem aos requisitos da RDC 36/2015 têm validade de dez anos.

“É importante esclarecer que, para concessão desses registros, não são realizados ensaios laboratoriais prévios. A responsabilidade pelas informações prestadas à Anvisa é do detentor do registro do produto e o controle do desempenho da produção é previsto como preceito das boas práticas de fabricação”, informa a Anvisa no texto.

Testes rápidos

Tais produtos são de uso profissional e devem ser interpretados por profissionais de saúde, considerando informações clínicas, sinais e sintomas do paciente, além de outros exames. A Anvisa, o Ministério da Saúde e o Instituto de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz) instituíram um programa de monitoramento analítico para medir, por meio de ensaios laboratoriais feitos por cada uma das empresas fabricantes, o desempenho e a acurácia dos produtos.

Veja também: Como comprovar a qualidade dos testes rápidos de covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu