Close-up apresenta performance do setor e sinaliza mudanças na demanda com avanço da imunização contra Covid-19

O varejo farmacêutico brasileiro faturou R$ 135 bilhões nos últimos 12 meses, com um crescimento de 4,9% em unidades e 11,6% em valores, com destaque para os genéricos, que continuam trabalhando preços agressivos.

A Close-up International, empresa que audita o setor farmacêutico, apresentou a performance do mercado em seu tradicional evento anual – Outlook 2021 –, realizado pela segunda vez consecutiva de forma totalmente online, nos dias 6 e 7 de outubro, devido à pandemia de Covid-19.

Aliás, os impactos da pandemia no setor farmacêutico foram um dos principais tópicos abordados tanto nas apresentações do vice-presidente da Close-up na América Latina, Paulo Paiva, quanto no painel com as associações no último dia do evento. Assim como ocorreu com todos os setores da economia brasileira, o varejo farma foi pego de surpresa com os acontecimentos, mas, ao contrário de muitos, conseguiu passar pela crise sem grandes perdas e continuar crescendo.

Abertura e fechamento de lojas

Um dos principais impacto da Covid-19, segundo a Close-up, foi a mudança no perfil da demanda, que migrou dos centros e zonas comerciais para lojas de bairro, favorecendo e muito o crescimento da farmácia independente. Passaram a ser lojas de alto potencial aquelas que estavam em regiões mais residenciais.

Em consequência disso, 1,6 mil pontos de venda migraram para a categoria de baixo potencial, enquanto 2,6 mil passaram a ser considerados de alto potencial por estarem em áreas onde o consumo cresceu durante a pandemia. No balanço geral de abertura e fechamento de lojas, cerca de 6 mil pontos de venda foram abertos entre agosto de 2019 e agosto de 2020, totalizando 91,9 mil estabelecimentos farmacêuticos no Brasil atualmente.

Preço e mix como diferenciais competitivos

Segundo a Close-up, o varejo farmacêutico brasileiro movimentou R$ 153 bilhões (preço ao consumidor) nos últimos 12 meses, com um crescimento de 4,9% em unidades e 11,6% em valores, com destaque para os genéricos, que continuam trabalhando preços agressivos. Isso mostra que o fator preço impacta em todas as categorias de produtos.

Aliado ao preço vem o sortimento. “O mix é estratégico para o sucesso da loja. Durante a pandemia, percebemos que as farmácias com altíssimo nível de performance tiveram maior índice de sortimento. Por isso, o independente precisa trabalhar o mix para melhorar a performance. O distribuidor e a indústria, por sua vez, precisam ficar atentos para uma área de oportunidade que não está sendo explorada”, comentou Paulo Paiva.

Paulo Paiva e Christian Becker, da Close-up International

A pandemia de Covid-19 trouxe um grande impacto no sortimento, principalmente em relação aos produtos antissépticos e de proteção e às vitaminas. A Close-up apurou que, nas grandes redes, 78% das lojas apresentam um nível de sortimento alto ou altíssimo, o que significa que elas têm menos ruptura e mais potencial de venda. Quando o cliente procura um produto e não acha, aumentam as chances de ele buscar na concorrência.

As farmácias independentes são as que mais perdem com o mix inadequado: 80% delas apresentam nível de sortimento baixíssimo, com uma média de 2.200 skus por loja. Nas associativistas, esse percentual cai para 44%, mas ainda é considerado alto pela Close-up e precisa ser melhorado. “Existe uma grande relação entre sortimento e vendas: 83% da performance está relacionada ao mix, mas com pouco investimento é possível obter incremento de performance na loja”, destacou Paulo Paiva.

Consumo de vitaminas tende a recuar com fim da pandemia

O mercado de vitaminas é um exemplo. Quem não abasteceu o estoque com essa categoria perdeu vendas, porque durante a pandemia os polivitamínicos foram um grande destaque. De agosto de 2019 a agosto de 2020, o crescimento dessa categoria foi de 74%. De acordo com os dados apurados, de 2020 para 2021, o crescimento estimado é 1,1% em unidades e 18,3% em valor. No entanto, esse mercado deve ficar estável devido ao avanço da vacinação e do recuo da pandemia, podendo ter um ligeiro recuo em unidades em 2022. A projeção é que o mercado gire em torno de R$ 2,5 bilhões em vendas de vitaminas em 2022.

O mercado de consumo vem chamando a atenção do varejo farma, principalmente na categoria HPC, que hoje tem mais de 100 subgrupos. L’Oréal e P&G são atualmente os principais players do segmento de não medicamentos no canal farmácia, enquanto a melhor performance está com a Nestlé.

As grandes redes trabalham muito bem a categoria de HPC, mas também é um segmento de oportunidades para associativistas e independentes, segundo a Close-up International. As categorias de alimentos e bebidas também tiveram excelente desempenho, crescendo 16% em valor no MAT08/21.

Os produtos de uso crônico mostraram crescimento acentuado a partir de 2019 por causa da pandemia, configurando uma grande oportunidade para o mercado. “Percebemos um menor abandono do tratamento em comparação ao período anterior à pandemia diante do indicativo de que as comorbidades elevam os riscos de complicações da Covid-19”, avaliou o vice-presidente da Close-up na América Latina. Mas não se sabe se esse comportamento vai se manter após o avanço da imunização.

Mercado total e subcanais: rede, associativismo e independente

No varejo total, o crescimento em reais, de agosto de 2020 a agosto de 2021, foi de 15,7%. Importante destacar o crescimento das vendas digitais no varejo farma, que foi de 48,9% no MAT08/21.

Em relação aos subcanais, as grandes redes cresceram menos que as independentes e as associativistas no MAT08/2021: 11,8% apenas, contra um crescimento de 18,9% e 15,2% respectivamente. A principal razão ainda é a migração do consumo das zonas comerciais para as residenciais devido à pandemia.

No entanto, esse cenário tende a mudar na medida em que a vida volta ao normal com o avanço da vacinação. Muitas empresas já retomaram as atividades presenciais, aumentando o fluxo de pessoas nos centros comerciais.

Um dado interessante apresentado pela Close-up é que as grandes redes apresentam pouca participação de mercado nas pequenas cidades, enquanto as farmácias independentes e associativistas são pouco presentes nas grandes cidades. Naquelas de mais de 1 milhão de habitantes, as grandes redes representam 77% do mercado.

Farmácia como centro de serviços de saúde

Entre as principais tendências apresentadas pela Close-up está o conceito de farmácia como centro de serviços de saúde. No MAT08/21, a população gastou R$ 103,5 bilhões no varejo farmacêutico de um total de R$ 465,6 bilhões gastos com saúde privada no Brasil.

Para Paulo Paiva, esse cenário é uma oportunidade para a farmácia ampliar a oferta de serviços de acompanhamento e prevenção para fidelizar o cliente e reduzir esses gastos com saúde privada, principalmente para as grandes redes, que, em geral, já contam com toda a estrutura para serviços de saúde na loja.

Falando de futuro, a Close-up destaca oportunidades que podem transformar a farmácia num HUB de saúde, apoiando o paciente no tratamento e na prevenção. Além disso, a perspectiva é de que os clientes irão com menos frequência à farmácia e, por isso, a palavra-chave é sortimento. Ao manter um mix adequado de produtos, a loja reduz as perdas com as rupturas e garante a venda. Por fim, importante destacar o avanço do e-commerce e das vendas por delivery.

Veja também: Venda de medicamentos mais comuns aumenta 6% em um ano, segundo InterPlayers

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Notícias Canal Farma

Receba notícias, conteúdos e vídeos do YouTube sobre o setor farmacêutico com nosso canal no Telegram.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.