EnglishPortugueseSpanish

Farmácias fazem parte da campanha “Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica”

Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica
Foto: Divulgação

Nesta quarta-feira (10/06), ocorreu o lançamento da campanha “Sinal Vermelho Contra a Violência”, uma iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), com o objetivo de auxiliar mulheres que estejam sofrendo violência doméstica durante o isolamento social causado pela pandemia da Covid-19.

A campanha conta com o apoio de diversas entidades, como a Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), Associação Brasileira das Redes Associativistas de Farmácias e Drogarias (Abrafad), Conselho Federal de Farmácia (CFF), Instituto Mary Kay, Grupo Mulheres do Brasil, Mulheres do Varejo, Conselho Nacional dos Chefes da Polícia Civil e Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica

O objetivo da campanha é utilizar as farmácias como agentes de comunicação, ajudando mulheres que estejam sendo vítimas de violência doméstica a denunciarem seus agressores. Ao todo, quase 10 mil farmácias em todo o país participarão.

A vítima deve desenhar um “X” vermelho na mão e exibi-lo ao farmacêutico ou atende da farmácia, que seguirá um protocolo para acionar a polícia. Os profissionais das farmácias não serão conduzidos à delegaria e nem, necessariamente, chamados a testemunhar.

Aumento de casos de violência doméstica

Renata Gil, presidente da AMB e juíza criminal no Rio de Janeiro há 22 anos, explica que uma das consequências da quarentena foi expor mulheres e crianças a uma maior vulnerabilidade dentro do próprio lar. Normalmente, a maioria delas tem vergonha, receio do agressor e medo de morrer: “A vítima, muitas vezes, não consegue denunciar as agressões porque está sob constante vigilância. Por isso, é preciso agir com urgência”.

A conselheira do CNJ e procuradora regional da República, Maria Cristiana Ziouva, afirma que, na maioria dos casos, as agressões são cometidas por parceiros e que o abuso do álcool também pode provocar comportamentos violentos: “Situações de estresse e instabilidade econômica potencializam os riscos, especialmente neste momento delicado”.

Segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, entre março e abril de 2020, o índice de feminicídios cresceu 22,2%. Já as chamadas para o número 180 tiveram aumento de 34% em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com balanço do governo federal.

Participação das farmácias

O diretor-executivo da Abrafad, Nilson Ribeiro, afirma que é uma honra poder contribuir para este movimento de solidariedade e responsabilidade social: “Queremos que esta corrente do bem, coordenada pelos órgãos da Justiça brasileira, elimine qualquer tipo de agressão física e moral contra as mulheres. Estamos juntos e buscaremos ser facilitadores e apoiadores deste movimento social, recebendo dignamente as mulheres em nossos estabelecimentos de saúde, as farmácias”.

Assista ao vídeo oficial da campanha.

Veja também: PL determina recebimento remoto de receitas médicas por farmácias e drogarias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu