EnglishPortugueseSpanish

Pfizer faz alerta sobre depressão e ansiedade em meio à pandemia

Pfizer faz alerta sobre depressão na pandemia
Foto: freepik

A Upjohn, divisão da farmacêutica Pfizer focada em doenças crônicas não transmissíveis, está lançando uma campanha voltada para pessoas que sofrem de depressão e ansiedade, principalmente durante a pandemia da Covid-19, quando a população teve que ficar em isolamento social, lidar com desemprego e muitas outras incertezas.

Elizabeth Bilevicius, líder médica da Upjohn, explica que, diante desse cenário, a conscientização e o diálogo se tornaram ainda mais relevantes no que diz respeito à saúde mental: “O Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio, é uma excelente oportunidade para reforçarmos o trabalho de sensibilização da população, engajamento de profissionais de saúde e autoridades sanitárias, posicionando a depressão e a ansiedade como doenças”. Uma vez entendidas e classificadas como doenças, a população passa a compreender que precisam ser diagnosticadas e tratadas para evitar que evoluam para casos extremos, como o suicídio.

Situação atual

O Brasil é o país com maior prevalência de depressão na América Latina, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) – 5,8% da população é afetada, taxa superior à média global de 4,4%. “Quase 12 milhões de brasileiros enfrentam a depressão, o que equivale à população inteira de uma metrópole como São Paulo, por exemplo. No que diz respeito à ansiedade, os números do Brasil também são preocupantes. Dados da OMS mostram que o nosso país tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões (9,3% da população) convivem com algum tipo de transtorno de ansiedade”, comenta a diretora médica da Pfizer no Brasil, Márjori Dulcine.

O cenário atual de pandemia contribui para que os gatilhos e sinais de alerta tenham disparado e a procura por atendimentos psiquiátricos tenha aumentado, incluindo novos pacientes e os que tiveram algum tipo de recaída.

“Qualquer indivíduo está vulnerável a reações psicológicas diante de um cenário tão incerto, com mudanças impostas e de magnitude global como o atual. Adultos, jovens, idosos e até mesmo crianças podem apresentar algum sofrimento psíquico diante de tanta carga emocional”, afirma  Alexandrina Meleiro, vice-presidente da Comissão de Saúde Mental do Médico da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e vice-presidente da Associação Brasileira de Estudo e Prevenção de Suicídio (ABEPS).

Atenção redobrada com jovens

Em 2019, o IBOPE Conecta realizou um estudo intitulado “Depressão, suicídio e tabu no Brasil: um novo olhar sobre a saúde mental”, que buscou entender como os jovens enxergam a doença. Ao todo, foram entrevistados dois mil brasileiros a partir dos 13 anos de idade em estados como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Fortaleza e São Paulo. 

“Verificar o quanto existe de desconhecimento e vergonha sobre a depressão entre os jovens brasileiros é muito preocupante porque a doença representa um dos diagnósticos mais frequentes entre as pessoas que tiram a própria vida. E temos visto, nos últimos anos, o quanto as taxas de suicídio estão aumentando justamente na população mais jovem”, comenta Márjori.

Desinformação sobre depressão

A pesquisa mostrou que as faixas etárias mais jovens acreditam em mitos quanto à origem da depressão: mais de uma a cada quatro pessoas entre 18 e 24 anos (26%) consideram que se trata de uma “doença da alma”. A porcentagem cai para 15% quando os entrevistados têm 55 anos ou mais.

Ainda que entendam que há tratamento para doença (71%), os jovens entre 18 e 24 anos têm a menor confiança na eficácia dele – 29% deles pensam que a depressão não é uma doença que pode ser tratada com sucesso. Novamente há uma caída (18%) entre os participantes acima dos 55 anos.

Ao analisar as respostas dos entrevistados ainda mais jovens, de 13 a 17 anos, a situação também se mostra preocupante. Mais de um a cada cinco deles (23%) acreditam que não existem sintomas físicos na depressão, e que ela seria apenas um momento de tristeza, e não uma doença.

Veja também: Roche lança projeto que encontra doadores com tipos sanguíneos que estão em falta

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu