EnglishPortugueseSpanish

Câmara aprova MP que exige assinatura qualificada para medicamentos controlados

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (11/8), a MP 983/2020, que estabelece dois novos tipos de assinatura eletrônica de documentos públicos.
Foto: shutterstock

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (11/8), a Medida Provisória 983/2020, que estabelece dois novos tipos de assinatura eletrônica de documentos públicos. O objetivo é facilitar o uso de documentos assinados digitalmente para aumentar o acesso a serviços públicos digitais. A matéria será enviada ao Senado.

A MP foi aprovada como projeto de lei de conversão do relator, o deputado Lucas Vergilio (Solidariedade-GO). O texto prevê a criação das modalidades de assinatura eletrônica simples e avançada, que se somariam à qualificada (certificada pela Infraestrutura de Chaves Públicas – ICP-Brasil), já existente.

Resumo da MP

A norma exige que a assinatura qualificada esteja nas receitas de medicamentos sob controle especial, que contêm substâncias ou plantas constantes das listas do Anexo I da Portaria SVS/MS nº 344/1998. Mas a assinatura não foi exigida para os antimicrobianos, assunto questionado pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) diretamente ao relator da MP. A intenção é que o texto seja revisto no Senado e passe a abranger todos os medicamentos.

Pedido do CFF

No ofício encaminhado a Vergilio, o Conselho alertou que o texto da MP se restringiu aos medicamentos de controle especial, não mencionando os antimicrobianos que possuem legislação específica e plano nacional para o enfrentamento dos desafios impostos pela resistência microbiana.

Também foi ressaltado pelo CFF que não houve especificações quanto à necessidade de assinatura qualificada do farmacêutico para o registro do ato da dispensação de medicamentos sujeitos a controle especial e antimicrobianos em receitas eletrônicas.

Segundo a entidade, “a cada dia se torna mais desafiante tratar um crescente número de infecções, haja vista que os antimicrobianos estão se tornando inefetivos, tendo como consequências diretas e indiretas o aumento da taxa de mortalidade, a permanência prolongada no ambiente hospitalar e a ineficácia dos tratamentos preventivos que comprometem toda a população”.

Veja também: Anvisa esclarece informação sobre retenção de receita para cloroquina e ivermectina

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu