EnglishPortugueseSpanish

Anvisa aprova nova indicação para Vyndaqel, para o tratamento de cardiomiopatia

Vyndaqel trata cardiomiopatia
Foto: freepik

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a nova indicação do medicamento Vyndaqel (Tafamidis Meglumina), da Pfizer, para o tratamento de pacientes com cardiomiopatia amiloidótica por transtirretina (ATTR-CM), doença rara associada à insuficiência cardíaca progressiva para a qual não havia ainda opção terapêutica medicamentosa aprovada.

O Vyndaqel

Em 2016, o Vyndaqel foi aprovado no Brasil para o tratamento de outra doença, polineuropatia amiloidótica familiar (PAF), também chamada de paramiloidose ou ATT-PN. É uma enfermidade genética rara e irreversível, mais comum em descendentes de portugueses. Ele foi o primeiro tratamento medicamentoso específico para a doença, incorporado no SUS em 2018.

Já em 2018, o Tafamidis foi definido pela Food And Drug Administration (FDA), a agência regulatória norte-americana, como terapia inovadora para pacientes com ATTR-CM, tendo sua produção acelerada com o objetivo de acelerar a sua aprovação.

Pesquisa para aprovação do medicamento

Foi realizado um estudo clínico de fase 3 que verificou a eficácia, segurança e tolerabilidade às doses do Tafamidis. Ao todo, foram 30 meses em que 441 pacientes dividiram-se para tomar uma dose oral diária do medicamento, de 20 mg ou 80 mg, e um placebo.

Participaram do estudo indivíduos com a forma hereditária da doença e com o tipo selvagem, relacionado ao envelhecimento. A frequência de hospitalizações e a mortalidade dos pacientes foi menor entre os pacientes que receberem o Vyndaqel (264) do que os que receberam placebo (6 dos 117).

O que é cardiomiopatia amiloidótica por transtirretina?

Nas duas formas da doença, em decorrência da mutação, a proteína transtirretina torna-se insolúvel e suscetível à formação de fibrilas amiloides, que ficam acumuladas em diversos tecidos do corpo. Quando concentradas no coração, interferem em seu funcionamento. O medicamento age na estabilização dessas proteínas.

A prevalência da doença no Brasil e em âmbito mundial ainda é desconhecida. Estima-se que menos de 1% dos pacientes já tenha sido diagnosticado. Sem tratamento, a expectativa de vida é de apenas 2 a 3 anos e meio após o diagnóstico.

A diretoria médica da Pfizer Brasil, Márjori Dulcine, revela entusiasmo com o medicamento. “Até então, as opções eram gerenciar os sintomas e, em casos raros, o transplante de órgãos. Com esse medicamento, os pacientes podem viver mais e com mais qualidade de vida”.

Veja também: Anvisa aprova registro de AMITIZA

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu