EnglishPortugueseSpanish

Incidência de hanseníase no Brasil é menor em 2018

Foto: Blog Drauzio Varella/UOL
Foto: Blog Drauzio Varella/UOL

No próximo dia 27 de janeiro, último domingo do mês, é comemorado o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase, data que guia o Janeiro Roxo, mês de combate à doença.  Segundo os dados do DataSUS, plataforma do Ministério da Saúde que reúne informações do Sistema Único de Saúde, o Brasil apresentou uma queda considerável nos casos de Hanseníase em 2018 quando comparado ao ano anterior. A incidência anual caiu em mais de 10 mil diagnósticos, indo de 31,5 mil casos em 2017 para 21,1 mil no ano seguinte. Entretanto, vale lembrar que a doença ainda assim é classificada como problema de saúde pública no País, pois atinge mais de 1 a cada 10 mil brasileiros.

Também conhecida como lepra, essa é uma enfermidade infectocontagiosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae. Fatores imunológicos individuais, em pessoas previamente sadias, podem favorecer o curso mais grave da doença. Sinais e sintomas variados, algumas vezes não clássicos, podem levar à demora no diagnóstico.

“Embora a incidência de infectados no Brasil seja alta, é muito fácil evitar a doença, uma vez que não é um simples contato com alguém já doente que contaminará o próximo”, explica Renata Bacic, médica patologista e diretora da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), que inclui na lista de cuidados obrigatórios para quem mora no mesmo lar do paciente a Vacina BCG e as medidas básicas de higiene, como lavar as mãos com sabão rotineiramente e o tratamento rápido de qualquer ferida na pele.

Descuido é fator no alto número de casos

A demora no diagnóstico é um agravante que culmina nesse alto índice da hanseníase, “no começo, a doença se apresenta apenas com a perda de sensibilidade em alguma região externa do corpo como sintoma, uma pequena mancha clara ou avermelhada, o que não atrapalha a vida do infectado, que tende a ignorar esse sinal. O paciente acaba procurando atenção médica apenas no aparecimento de feridas, quando a doença está mais avançada”, explica a médica patologista. A doença pode se manifestar de 6 meses até 6 anos após a proliferação da bactéria, o que torna quase impossível precisar sua origem.

Os testes e exames mudam ao passo que a doença progride. No primeiro estágio os médicos se baseiam no contexto clínico de lesões de pele e associam à perda da sensibilidade no local para o diagnóstico. Há também as avaliações complementares capazes de confirmar ou não a presença da bactéria e a avaliação de força motora em clínicas dermatoneurológicas, métodos que se somam aos testes de sensibilidade e à palpação dos nervos.

A baciloscopia, uma análise laboratorial do material recolhido de serosidades cutâneas das lesões, e a biópsia, onde um fragmento de pele é submetido à avaliação microscópica, são importantes procedimentos também solicitados pela equipe clínica. Além de avaliar e quantificar a presença de bactérias nas lesões, os procedimentos orientam o tratamento por indicar eventuais reações próprias da doença.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu