EnglishPortugueseSpanish

O varejo desde o império

Modelo de varejo farmacêutico
Qual deve ser o nosso modelo de varejo farmacêutico?

Falar de varejo no Brasil é uma tarefa bem complexa, pois, desde a chegada dos portugueses em nossa terra, vimos infinitos modelos de negócios abrirem, funcionarem e morrerem. A escravidão e a forma como os escravos chegavam ao Brasil e de que modo eram negociados já falam um pouco sobre a metodologia adotada por comerciantes e empresários.

De fato, desde a primeira botica até os tempos atuais a história brasileira do varejo farmacêutico é pródiga em modelos.

Alguns comerciantes foram para o interior do País. Em cidades de até 5 mil habitantes, vamos ver uma discrepância incrível sempre em nome do atendimento prioritário do paciente/cliente/consumidor.

Aliás, a primeira discussão refere-se a que tipo de pessoas o varejo farmacêutico atende. Serão eles pacientes/clientes ou consumidores? Se, do ponto de vista da assistência farmacêutica, eles devem ser tratados como pacientes, como negócio lucrativo e independente devem ser consumidores no primeiro momento e, se conseguimos fidelizá-los, passam a ser clientes. Como dentro dessa miscelânea de atividades podemos discutir se determinado modelo é o melhor para o País?

Veja também: A farmácia sabe o que está vendendo?

O segundo ponto é saber se de fato a presença do farmacêutico é indispensável e em que modelo ele deve estar inserido. Se estiver inserido, qual o perfil adequado desse profissional para os diversos modelos existentes? E, o mais interessante, que tipo de capacitação ele deve ter nas diversas funções pelas quais é o responsável?

Dito isso, como atuar em 27 estados e 5 mil municípios, cada qual com seu regime especial de vigilância sanitária e licenciamentos vários? Como regular esse mercado onipresente, onipotente e completamente diversificado?

É verdade que esses assuntos já vêm sendo discutidos há décadas e também que ainda existem muitos gargalos a serem esclarecidos. Quem vive o varejo sabe que a pulverização do mercado em algum momento foi a melhor estratégia e que a dualidade entre grande rede e varejo independente levou à replicação de modelos híbridos que, de alguma forma, ainda não se consolidaram, apesar de que a força das grandes redes pelo domínio do mercado em termos econômicos ainda não se fez  em termos geográficos.

Deixo este artigo como provocação para o aprofundamento das questões, se é que a distribuição, o operador logístico, o varejo independente e a indústria já se deram conta do que a concentração poderá fazer em todo o processo varejista farmacêutico.

Assista: Melhore o atendimento da sua farmácia e venda mais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Anuncie na Revista da Farmácia

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias no seu Whatsapp

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Smart Consulta Consultório Farmacêutico Inteligente - Seja um franqueado
Fechar Menu