EnglishPortugueseSpanish

Um dia depois, sai RDC para testes rápidos para Covid-19

Abrafarma divulga protocolo para realização dos testes e Febrafar recomenda que evitem oferecer o serviço se não puderem assegurar a garantia absoluta da segurança para profissionais e consumidores.

A Resolução RDC 377/2020, anunciada ontem em reunião da Anvisa, saiu no Diário Oficial da União de hoje (29/4), ou seja, apenas um dia depois do anúncio feito pela agência de que liberaria, em caráter temporário e excepcional, o serviço de testes rápidos para Covid-19 em farmácias e drogarias.

Leia também: Anvisa libera testes rápidos para covid-19 em farmácias e drogarias

De acordo com a RDC 377, os testes rápidos (ensaios imunocromatográficos) para a pesquisa de anticorpos ou antígeno do novo coronavírus devem possuir registro na Anvisa.

Além disso, as farmácias devem atender aos requisitos técnicos de segurança estabelecidos pela RDC 302/2005, que trata do funcionamento dos laboratórios clínicos.

É atribuição exclusiva do farmacêutico a anamnese, ou seja, a entrevista ao paciente que solicite a realização do teste de Covid-19, instruindo-o acerca do uso do teste e a respectiva janela imunológica.

A norma também determina que todo e qualquer teste realizado deve ser registrado, constar na Declaração de Serviço Farmacêutico e ser arquivado no estabelecimento farmacêutico com o respectivo comprovante da aplicação do teste, de forma a garantir a rastreabilidade.

Outra regra estabelecida pela RDC 377 determina que os resultados, positivos ou negativos, devem ser informados ao Ministério da Saúde pelo endereço http://notifica.saude.gov.br.

Logo depois da RDC 377, a Anvisa divulgou nota técnica em que detalha mais um pouco como o serviço deve ser prestado. Acesse a Nota Técnica 97/2020.

A RDC ficará válida até a suspensão de emergência em saúde pública declarada pela Portaria 188/GM/MS, de 4 de fevereiro de 2020.

Abrafarma divulga protocolo para realização dos testes

A Abrafarma divulgou hoje um documento com orientações detalhadas para realização dos testes rápidos de Covid-19 em farmácias e drogarias, utilizando como referências as recomendações mais atuais sobre o tema emitidas pela Anvisa e pelo Ministério da Saúde.

O material define o que são esses testes e informa como devem ser realizados. Uma das recomendações é que os testes devem ser aplicados em pessoas cujos sintomas compatíveis com síndrome gripal tenham se iniciado há, pelo menos, oito dias. Essa precaução reduz a chance de resultados falso-negativos, a maior preocupação das autoridades de saúde.

O documento ressalta ainda que os testes devem ter registro na Anvisa. Para se garantir, a farmácia tem o direito de solicitar documentos comprobatórios ao fornecedor para fins de qualificação e documentação dos laudos de qualidade dos lotes e performance clínica dos testes fornecidos pelo fabricante.

Em relação aos descartes, o protocolo da Abrafarma sugere que sejam seguidas as regras da RDC 222/2018, da Anvisa.

A elaboração do material foi coordenada pelo Prof. Cassyano Correr, coordenador do Programa de Assistência Farmacêutica Avançada da Abrafarma.

Acesse aqui o Protocolo de Testes Rápidos Covid-19 em Farmácias da Abrafarma

Febrafar recomenda não oferecer o teste rápido de covid-19

A Febrafar, por outro lado, recomenda que as farmácias e drogarias das redes associadas evitem a realização dos testes se não puderem assegurar a garantia absoluta da segurança para profissionais e consumidores.

Em nota emitida nesta quarta (29/4), a Febrafar diz que “a aplicação dos testes rápidos para detecção do novo coronavírus é um procedimento que exige das farmácias e dos profissionais envolvidos um cuidado muito grande. Para garantir a segurança na aplicação do teste é preciso a utilização de equipamentos de proteção individual (EPI’s) específicos – avental, óculos de proteção, touca, luvas descartáveis e máscara cirúrgica –produtos de uso hospitalar e que estão escassos no mercado no momento”.

E continua: “a aplicação pode estimular uma maior circulação de pessoas com alta probabilidade de contaminação nos estabelecimentos. Além disso, muitas das lojas associadas estão se esforçando para manter-se ativas e operantes mesmo com redução da equipe de atendimento, por necessidades específicas do período – como é o caso de funcionários em grupos de riscos – e o novo procedimento exigiria manter profissionais direcionados exclusivamente para esses serviços”, diz a nota.

Acesse aqui o comunicado da Febrafar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Fechar Menu