EnglishPortugueseSpanish

Lei da Liberdade Econômica: atenção a pagamentos pessoais com dinheiro da empresa

Lei da Liberdade Econômica traz mudanças importantes
Foto: freepik

A Lei nº 13.874/2019, também conhecida como da Liberdade Econômica, foi aprovada no dia 20 de setembro. A partir de agora, diversos cuidados precisam ser tomados, e um deles é a utilização do dinheiro da empresa para pagamentos de contas pessoais. Com isso, a pessoa jurídica pode até mesmo ser desconsiderada.

O consultor jurídico da Ascoferj, Gustavo Semblano, explica que essa já é uma questão antiga. “O objetivo é evitar que pessoas naturais (pessoas físicas), sob o manto da personalidade jurídica de uma empresa, obtenham ganhos e/ou vantagens indevidas em detrimento, sobretudo, de credores”, explica.

Lei conta com mudança de artigos do Código Civil

O artigo 7º da Lei fala ainda sobre as alterações dos artigos 49 e 50 da Lei nº 10.406/2002 (Código Civil). Com isso, o conceito de confusão patrimonial foi reforçado, de forma que o patrimônio da pessoa jurídica não se confunda com o da figura dos sócios e administradores da empresa. O objetivo é evitar a fraude contra credores, ato ilícito caracterizado pela má-fé do devedor em não pagar um direito do credor.

“A autonomia patrimonial das pessoas jurídicas é um instrumento lícito de alocação e segregação de riscos, estabelecido pela lei com a finalidade de estimular empreendimentos, para a geração de empregos, tributo, renda e inovação em benefício de todos”, diz o texto do artigo 49.

Já o seguinte, 50, afirma que “em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade ou pela confusão patrimonial, pode o juiz, a requerimento da parte, ou do Ministério Público, quando lhe couber intervir no processo, desconsiderá-la para que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares de administradores ou de sócios da pessoa jurídica, beneficiados direta ou indiretamente pelo abuso”.

Outras considerações da nova Lei

O artigo 7º fala ainda sobre o conceito de desvio de finalidade, explicando que é a utilização da pessoa jurídica com o propósito de lesar credores, e a prática de atos ilícitos de qualquer tipo.

Além disso, dá ainda mais explicações sobre a confusão patrimonial: afirma que é a transferência de ativos ou de passivos sem efetivas contraprestações, exceto os de valor proporcionalmente insignificante, e também atos de descumprimento da autonomia patrimonial.

Outro ponto citado no artigo é que o desvio de finalidade não é constituído por mera expansão ou alteração da finalidade original da atividade econômica específica da pessoa jurídica.

Veja também: Pagamento do ICMS desonerado no RJ: conheça as novas regras

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu