EnglishPortugueseSpanish

Medicamentos manipulados sob encomenda estão sujeitos à incidência do ISSQN

O STF definiu que o ISSQN incidirá sobre as operações realizadas por farmácias de manipulação que envolvam medicamentos manipulados sob encomenda.
Foto: freepik

O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) incidirá sobre as operações realizadas por farmácias de manipulação que envolvam o preparo e o fornecimento de medicamentos manipulados sob encomenda. Já sobre os medicamentos de prateleira ofertados ao público consumidor, recairá o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). 

Decisão do STF

O Plenário, em sessão virtual, por maioria de votos, negou provimento ao Recurso Extraordinário (RE) 605552, que trata do Tema de Repercussão Geral 379, ou seja, sobre o imposto que incide em operações mistas realizadas por farmácias de manipulação.

O recurso foi interposto pelo Estado do Rio Grande do Sul contra decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que, seguindo o entendimento do STF, concluiu que os serviços de manipulação de medicamento sob encomenda se submetem à incidência exclusiva do ISSQN, que tem competência municipal.

Competência tributária

O relator do RE, ministro Dias Toffoli, presidente do STF, afirmou que, de acordo com a Constituição, o ISSQN é competência dos municípios, enquanto o ICMS é dos estados. O segundo, inclusive, incidirá sobre o valor total da operação quando as mercadorias forem fornecidas com serviços não compreendidos na competência tributária dos municípios.

No caso dos autos, o ministro afirmou que, nos termos da jurisprudência do Supremo, o fato de o serviço de manipulação de medicamentos estar na Lei Complementar 116/2003 como tributável pelo SSQN já atrairia a incidência desse imposto sobre o valor total da operação, afastando a do ICMS.

Toffoli afirma que todo o processo de comercialização dos medicamentos manipulados – atendimento inicial, aquisição de elementos químicos, manipulação das fórmulas por farmacêuticos – demonstra a prestação de serviço: “O objetivo principal do contrato é fazer algo por prévia encomenda de outrem, ou seja, a manipulação magistral do medicamento para uso pontual do encomendante”.

É importante frisar que somente após a disponibilização da decisão judicial na íntegra é que se terá a informação se os efeitos da mesma serão retroativos ou prospectivos.

Veja também: Emissão primária de certificados digitais por meio de videoconferência perde amparo legal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu