Entidades da área da saúde pedem ao STF suspensão das orientações de uso da cloroquina e hidroxicloroquina

Diversas entidades médicas protocolaram uma medida cautelar no STF para que o Ministério da Saúde retire as orientações sobre uso de cloroquina e hidroxicloroquina.
Entidades protocolam no STF medida cautelar contra uso de cloroquina e hidroxicloroquina
Foto: freepik

Entidades médicas e farmacêuticas, apoiadas por organizações científicas, protocolaram na última quinta-feira (28/05), no Supremo Tribunal Federal (STF), uma medida cautelar que pede a imediata suspensão das orientações do Ministério da Saúde sobre o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes em qualquer estágio da Covid-19. E também que o Governo Federal, incluindo governadores e prefeitos, pare de divulgar recomendações de uso das drogas.

A ação é da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Saúde (CNTS) e da Federação Nacional dos Farmacêuticos, com assessoria técnica do Instituto Questão de Ciência (ICQ), do Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste, da Associação Brasileira de Mutagênese e Genômica Ambiental, da Sociedade Brasileira de Microbiologia e da Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas.

Outras recomendações

As entidades pedem também que o Ministério Público Federal apure as ilegalidades e eventuais improbidades devidas ao desrespeito aos trâmites legais previstos na Lei do Sistema Único de Saúde (SUS) e desvio de motivação.

Outro requisito é que o Governo Federal publique um banner no site do Ministério da Saúde e na conta da Secretaria de Comunicação no Twitter com a frase: “As evidências científicas mais recentes comprovam que a cloroquina e hidroxicloroquina não têm qualquer efeito no tratamento de pessoas com Covid-19 e ainda podem piorar os efeitos da doença, aumentando a taxa de mortalidade”.

Por fim, a medida cautelar pede que todas as ações judiciais que debatem a obrigação do uso dos dois medicamentos sejam suspensas.

Argumentos

A ação lembra que o Conselho Nacional de Saúde, do próprio Ministério da Saúde, havia editado, em 22 de maio de 2020, uma resolução recomendando a suspensão imediata das Orientações da pasta. Na ocasião, o órgão afirmou que “a adoção da cloroquina/hidroxicloroquina é uma decisão política tomada por não especialistas em saúde” e sem “respaldo científico”.

Baseado em uma literatura questionável e defasada, o Governo Federal publicou as Orientações do Ministério da Saúde, elemento que não existe na estrutura do sistema público para definição do tratamento de doenças. Portanto, o documento representaria um ato administrativo nulo, que não seguiu as formalidades previstas na Lei do SUS.

“O uso da cloroquina e hidroxicloroquina (…) era uma hipótese. Foi testada e retestada. Essas drogas se mostram ineficazes, e até maléficas, para o tratamento em qualquer estágio da doença. Essa é a evidência científica robusta que existe hoje”, afirma o documento.

Estudos científicos

Além disso, a petição comprova que a Organização Mundial de Saúde (OMS) e vários países suspenderam o uso dos medicamentos após a divulgação de estudos massivos em revistas científicas internacionais.

Veja também: Brasil não interrompe pesquisas com cloroquina e hidroxicloroquina

Veja o É De Farmácia com as últimas notícias sobre a pandemia da Covid-19:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print

Notícias Canal Farma

Receba notícias, conteúdos e vídeos do YouTube sobre o setor farmacêutico com nosso canal no Telegram.

Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

loading...

Receba as principais notícias direto no celular

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia