EnglishPortugueseSpanish

Entidades da área da saúde pedem ao STF suspensão das orientações de uso da cloroquina e hidroxicloroquina

Diversas entidades médicas protocolaram uma medida cautelar no STF para que o Ministério da Saúde retire as orientações sobre uso de cloroquina e hidroxicloroquina.
Entidades protocolam no STF medida cautelar contra uso de cloroquina e hidroxicloroquina
Foto: freepik

Entidades médicas e farmacêuticas, apoiadas por organizações científicas, protocolaram na última quinta-feira (28/05), no Supremo Tribunal Federal (STF), uma medida cautelar que pede a imediata suspensão das orientações do Ministério da Saúde sobre o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes em qualquer estágio da Covid-19. E também que o Governo Federal, incluindo governadores e prefeitos, pare de divulgar recomendações de uso das drogas.

A ação é da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Saúde (CNTS) e da Federação Nacional dos Farmacêuticos, com assessoria técnica do Instituto Questão de Ciência (ICQ), do Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste, da Associação Brasileira de Mutagênese e Genômica Ambiental, da Sociedade Brasileira de Microbiologia e da Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas.

Outras recomendações

As entidades pedem também que o Ministério Público Federal apure as ilegalidades e eventuais improbidades devidas ao desrespeito aos trâmites legais previstos na Lei do Sistema Único de Saúde (SUS) e desvio de motivação.

Outro requisito é que o Governo Federal publique um banner no site do Ministério da Saúde e na conta da Secretaria de Comunicação no Twitter com a frase: “As evidências científicas mais recentes comprovam que a cloroquina e hidroxicloroquina não têm qualquer efeito no tratamento de pessoas com Covid-19 e ainda podem piorar os efeitos da doença, aumentando a taxa de mortalidade”.

Por fim, a medida cautelar pede que todas as ações judiciais que debatem a obrigação do uso dos dois medicamentos sejam suspensas.

Argumentos

A ação lembra que o Conselho Nacional de Saúde, do próprio Ministério da Saúde, havia editado, em 22 de maio de 2020, uma resolução recomendando a suspensão imediata das Orientações da pasta. Na ocasião, o órgão afirmou que “a adoção da cloroquina/hidroxicloroquina é uma decisão política tomada por não especialistas em saúde” e sem “respaldo científico”.

Baseado em uma literatura questionável e defasada, o Governo Federal publicou as Orientações do Ministério da Saúde, elemento que não existe na estrutura do sistema público para definição do tratamento de doenças. Portanto, o documento representaria um ato administrativo nulo, que não seguiu as formalidades previstas na Lei do SUS.

“O uso da cloroquina e hidroxicloroquina (…) era uma hipótese. Foi testada e retestada. Essas drogas se mostram ineficazes, e até maléficas, para o tratamento em qualquer estágio da doença. Essa é a evidência científica robusta que existe hoje”, afirma o documento.

Estudos científicos

Além disso, a petição comprova que a Organização Mundial de Saúde (OMS) e vários países suspenderam o uso dos medicamentos após a divulgação de estudos massivos em revistas científicas internacionais.

Veja também: Brasil não interrompe pesquisas com cloroquina e hidroxicloroquina

Veja o É De Farmácia com as últimas notícias sobre a pandemia da Covid-19:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu