EnglishPortugueseSpanish

Anvisa abre Consulta Pública para sugestões de nova RDC

Anvisa abre Consulta Pública sobre biodisponibilidade e bioequivalência
Foto: freepik

Foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), na última quinta-feira (2/01), a Consulta Pública nº 760, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Consulta, que ficará disponível por 90 dias, tem como objetivo receber comentários e sugestões ao texto da proposta de Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) que dispõe sobre os critérios para a condução de estudos de biodisponibilidade relativa/bioequivalência (BD/BE).

O que é biodisponibilidade e bioequivalência?

Segundo informações da Anvisa, a biodisponibilidade indica a velocidade e a extensão de absorção de um princípio ativo em uma forma de dosagem, a partir da curva de concentração/tempo na circulação sistêmica ou sua excreção na urina.

Já a bioequivalência é a demonstração de equivalência farmacêutica entre produtos apresentados sob a mesma forma farmacêutica, contendo composição idêntica qualitativa e quantitativa de princípios ativos, e que tenham disponibilidade comparável quando estudados em um mesmo desenho experimental.

Para que serve a Consulta Pública?

Esta Consulta Pública tem como objetivo orientar a indústria e os laboratórios que fazem pesquisas clínicas de novos medicamentos ou sua renovação, de forma que eles comprovem a biodisponibilidade e a bioequivalência dos produtos.

O assunto já tem algumas normas, como, por exemplo, a RDC nº 278/2019, que trata da comprovação de equivalência terapêutica e biodisponibilidade para medicamentos inalatórios orais e sprays aerossóis nasais.

Entretanto, com base na RDC nº 255/2018, que é o regimento interno da Anvisa, são citadas como competências da Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos (GGMED) ações como coordenar as atividades referentes à habilitação e certificação de centros de equivalência farmacêutica, biodisponibilidade e bioequivalência.

Condições para o envio de comentários

As sugestões poderão ser enviadas sete dias após a publicação no DOU por meio do link no portal da Anvisa e mediante preenchimento de formulário específico. Todas as contribuições são consideradas públicas e poderão ser consultadas a qualquer momento no site.

As pessoas que não conseguirem acessar a Consulta Pública por meio da internet, assim como contribuições internacionais, poderão enviar os comentários por escrito, em meio físico, durante o prazo da consulta no endereço: Agência Nacional de Vigilância Sanitária/Gerência-Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos – GGMED, SIA trecho 5, Área Especial 57, Brasília-DF, CEP 71.205-050.

Próximos passos

Ao fim do prazo de 90 dias, a Anvisa analisará as contribuições e publicará o resultado em seu portal. Durante a análise, é possível que a Agência procure órgãos e entidades envolvidos como assunto para discussões técnicas.

Veja também: Aprovação de medicamentos para doenças raras cresce 90%

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Millenium distribuidora referência no mercado pharma Espírito Santo e Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Conquiste Seguros

Receba as principais notícias pelo nosso grupo

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu