EnglishPortugueseSpanish

Perdas no varejo crescem, mas drogarias ficam abaixo da média

O índice no Canal Farma está em 1,09%, e os recordistas continuam sendo os supermercados.

A Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (ABRAPPE) acaba de divulgar relatório com dados de 2018 sobre as perdas no varejo. O setor faturou R$ 1,55 trilhão e perdeu, aproximadamente, R$ 21,46 bilhões, índice de 1,38% sobre o faturamento líquido das empresas varejistas.

Segundo a ABRAPPE, o índice de 1,38% interrompe a série de redução dos últimos três anos. Em 2015, o índice de perdas foi 1,40%; em 2016, de 1,32%; e, em 2017, de 1,29%. “Esse crescimento da perda pode ser parcialmente explicado pelo cenário econômico vivenciado no ano passado. Muitas empresas investiram em níveis de estoques mais altos, porém a venda não aconteceu de acordo com as expectativas e, quando isso acontece, o estoque perece, seja pela quebra operacional ou por reduções de margem por meio da queda nos preços”, analisa a associação.

Além disso, outro fator relevante é que, nesta pesquisa, houve a entrada de participantes de segmentos onde tradicionalmente a perda é maior, o que levou ao incremento de 0,9% no índice de perdas. Se mantido o universo de respondentes da pesquisa do ano anterior, o índice de perdas se manteria constante.

A boa notícia é que o índice de perdas no setor de Drogarias está abaixo da média: 1,09%. Os recordistas de perdas continuam sendo os supermercados, devido às particularidades do negócio, com muitos itens perecíveis.

Setor de Drogarias fica abaixo da média, com 1,09% de perda anual

Em geral, a principal causa das perdas continuam sendo as quebras operacionais, com 36% de participação. Em segundo, vêm os furtos externos (20%) e, em terceiro, os erros de inventário (13%).

Assista: Reduza as perdas da farmácia

Rupturas no ponto de venda favorecem perdas no varejo

Segundo a ABRAPPE, a falta de um produto no momento da compra pelo consumidor pode representar, além das perdas de futuras receitas, um enfraquecimento da marca, haja vista que o consumidor passará a buscar o concorrente na hora da compra. O índice de perdas por rupturas no setor de Drogarias está entre os mais altos, com 11%.

Em Drogarias, as perdas por ruptura comercial representam 11,3%, que são aquelas relacionadas a compras malfeitas, por exemplo. Enquanto as perdas por ruptura operacional, aquela que decorre de falhas nos processos internos, representam apenas 3,7%.

Processos de inventários mais informatizados – RFID, Coletores, Smart Labels –, treinamentos constantes, acompanhamento de movimentação e rastreabilidade e aplicação de controles de monitoramento contínuo são exemplos de boas práticas que reduzem as rupturas no ponto de venda.

No setor de Drogarias, a ruptura comercial é muito mais alta do que a ruptura operacional

Leia também: Brasil é o 4º no ranking dos sorrisos, mas não sabe abordar o consumidor

Investimentos em tecnologias

O CFTV – circuito fechado de televisão – ainda é o mais utilizado pelos varejistas para fazer o controle das perdas, representando 97% no ranking das tecnologias em uso atualmente. Em 2º lugar, vêm os alarmes, com 69%. As Ferramentas de BI – relatórios de exceção – e as antenas antifurto – EAS – ficaram em 3º e 4º lugar, respectivamente, na pesquisa, com 54% e 52%.

“Em relação às tecnologias, praticamente todas as empresas utilizam CFTV como ferramenta para prevenir perdas. Isso se deve à considerável contribuição para outras áreas da empresa como Operações, Comercial, Marketing, sendo utilizado para monitoramento da loja, entender o comportamento do consumidor, identificar oportunidades de melhorias nos processos, entre outras aplicações”, analisa a ABRAPPE.

Serviços terceirizados para controle de perdas no varejo

A contratação de segurança é o serviço mais utilizado pelas empresas varejistas, principalmente para a proteção de ativos das lojas e centros de distribuição. Nas lojas, são utilizados para monitorar acessos e estacionamentos com o objetivo de inibir possíveis crimes. Nos centros de distribuição, são usados na portaria, no controle de acessos, no monitoramento das áreas externas e internas, em revistas em pertences de pessoas, entre outras atividades. De acordo com a pesquisa, 61% dos varejistas contratam seguranças para as lojas e 48% contratam para os centros de distribuição.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on print
Maxcenter Drogarias Max

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossa Newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

City Farma - Invista na abertura de um bom negócio

Receba as principais notícias no seu Whatsapp

curta nossa fanpage

Mais lidas

Vídeo - É de Farmácia

Televendas Zamboni
Fechar Menu